No final de 2023, o baterista Jay Weinberg deixou o seu posto no Slipknot, e um tempo depois, foi contratado pelo Suicidal Tendencies, banda que toca atualmente.

Além dela, o artista também trabalhou com o Infectious Grooves, supergrupo que une músicos de sua outra banda.

Durante o mês de julho, o Suicidal Tendencies chega ao Brasil com a turnê NÓS SOMOS FAMÍLIA, que passa por cinco cidades, sendo elas: Rio de Janeiro, no Sacadura, dia 12, São Paulo, no Rock Fun Fest, dia 13, Curitiba, no Tork N Roll, dia 14, Florianópolis, no John Bull Floripa, dia 16 e, por fim, em Belo Horizonte, no Mister Rock, dia 17.

Em entrevista exclusiva ao Wikimetal, Weinberg comentou sobre a vinda da banda ao país, o single novo com artistas brasileiros, planos futuros com o grupo e mais!

Confira a entrevista na íntegra:

Wikimetal: O Suicidal Tendencies iniciará uma turnê aqui no Brasil nos próximos dias. Qual é a sua relação com o país?

Jay Weinberg: Ah, meu amor pelo Brasil é muito profundo, eu direi isso. É um dos meus lugares favoritos no mundo, de verdade. O amor pela música, especialmente heavy metal, hardcore, punk rock, [estilos de] música que são muito especiais para mim, o amor por isso no Brasil é incomparável em todo o mundo. É um lugar muito especial para esse tipo de música. Eu realmente sinto a paixão que as pessoas que amam esse tipo de música realmente sentem. Isso conversa como, você sabe, nós, músicos e artistas, temos paixão pela música.

 É simplesmente infeccioso no Brasil. Então, sempre que venho ao Brasil, faço turnê pelo Brasil desde 2015, talvez, 14. Tem sido um dos meus lugares favoritos no mundo. O país é tão lindo. A comida é incrível. As pessoas são muito amigáveis, entusiasmadas e apaixonadas. E essas são as melhores partes de ser um músico viajante, é ir a lugares onde sua música é respeitada, ouvida e apreciada, e as pessoas realmente investem com muito amor e muito coração, o tipo de música que nós fazemos. Portanto, é apenas um dos melhores lugares do mundo. E estou muito animado para voltar com Suicidal Tendencies.

WM: E o que você está mais animado para essa próxima turnê, além dos shows?

JW: Eu ia dizer os shows, definitivamente. Estou realmente ansioso pelos shows. Estou ansioso para ir a algumas cidades onde nunca estive antes. Quando estive anteriormente, foi principalmente no Rio de Janeiro e em São Paulo, mas agora ter a oportunidade de tocar em outras quatro cidades será fantástico. Eu realmente gosto de explorar. Essa é uma das minhas partes favoritas de fazer turnê, é viajar pelo mundo e ver coisas novas, experimentar novas comidas, explorar culturas diferentes e ver o que diferentes cidades têm a oferecer. Então essa é uma grande oportunidade para alguém como eu. E apenas, você sabe, ver o Brasil de uma maneira diferente, em um contexto diferente com o Suicidal, será muito, muito emocionante, tocar em alguns locais onde estaremos bem na cara de todos e muito intenso, muito íntimo. 

É um sonho absoluto que se tornou realidade fazer isso, sabe? Porque estou mais familiarizado tocando em um ambiente de festival. Você sabe, tipo, o Rock in Rio, por exemplo. É uma oportunidade incrível de tocar no Rock in Rio, mas é para, tipo, 100 ou, tipo, 200 mil pessoas ou algo assim. É tão maniacamente enorme que sua mente nem consegue compreendê-lo. Então, dividir tudo e ter essas experiências íntimas e intensas será muito emocionante, porque coloca toda essa paixão pela música em exibição. Você sabe, teremos pessoas pulando como loucas no palco, tenho certeza. 

E, sim, estamos muito, muito ansiosos por isso. Mas além dos shows, sim, a comida, a cultura, as imagens e os sons, são todos os meus favoritos. Vir ao Brasil é uma alegria. Então sempre foi minha experiência. E minha exploração favorita acontece quando estou na América do Sul e quando estou no Brasil em particular. Então, estou muito animado para vir por todos esses motivos.

WM: A  banda também gravou uma faixa com alguns grandes nomes da cena de rock e metal brasileira, “Nós Somos Família”. Como surgiu essa ideia?

JW: Bem, foi uma ótima ideia do próprio Mike Muir. Verdade seja dita, estávamos nos preparando para shows com o Infectious Grooves, que é a outra banda que divide integrantes com o Suicidal Tendencies. E naquela semana, enquanto estávamos nos preparando, Mike teve uma ideia e me perguntou: “ei, podemos ir para o estúdio amanhã e regravar algumas músicas antigas do Suicidal, mas reimaginá-las, retrabalhá-las e apresentá-las de uma forma que seja especial para esta próxima turnê brasileira?” E achei uma ideia fantástica, então é claro que disse que sim.

Então entramos em estúdio e gravamos algumas novas versões dessas músicas, uma versão de “We Are Family”, como você disse. E então estou animado que poderemos colaborar com músicos brasileiros e colocar isso, você sabe, isso mostra a paixão que o grande povo do Brasil tem por esse estilo de música. Especificamente para o Suicidal Tendencies, essa é uma grande oportunidade. E então estou honrado não apenas por ter minha primeira música gravada com o Suicidal Tendencies sendo algo que significa tanto, mas por ser uma colaboração com músicos brasileiros é realmente incrível e muito significativo. Então, estou honrado e muito animado para que as pessoas ouçam.

WM: E como você estava dizendo, nos últimos meses você trabalhou com o Infectious Grooves. Como foi a experiência?

JW: Isso foi ótimo! Tudo aconteceu tão rápido que sinto falta. Tocar com Robert Trujillo, que é o pai do Tye Trujillo, do Suicidal Tendencies, foi uma grande oportunidade. Dave Kushner também, do Velvet Revolver. Sim, nos divertimos muito, muito. Foi totalmente inesperado. Você sabe, aquele estilo de música, aquele tipo específico de estilo funky de tocar foi um pouco desafiador. Era um tipo diferente de música para eu tocar, eu nunca toquei funk antes, nunca participei de uma banda funk. Então, desafiar-me e assumir isso quando Mike me pediu foi muito emocionante. E esses caras tornaram tudo tão fácil, eles são todos profissionais. Eles são todos ótimos. Eles fazem qualquer um que toque com eles parecer incrível. 

Ter a oportunidade de tocar com aqueles caras, e isso naturalmente levou Mike a perguntar se eu tocaria com o Suicidal Tendencies porque ele precisava de um baterista para alguns shows que estavam chegando muito rapidamente e nós meio que fizemos isso ao mesmo tempo. Na verdade, Mike me pediu para tocar primeiro com o Infectious Grooves. Mas fiz um show com o Suicidal Tendencies primeiro. E então tem sido um ano selvagem e muito louco até agora, equilibrando as duas bandas, tentando mergulhar o máximo que posso em ambas e dar a ambas o tempo e o respeito que merecem. 

E, na verdade, fomos para a Austrália e quando tocávamos nos shows do Infectious Grooves, fazíamos um bis do material do Suicidal Tendencies e Tye tocava baixo com Robert. Então, juntos, tivemos os dois Trujillos em turnê. Isso foi muito legal. E sim, é uma experiência incrível. Você sabe, essa banda é como uma grande, grande comunidade. Tem gente que esteve na banda que está por perto e ainda vem aos shows e ainda tocam com a banda de vez em quando. E isso é realmente especial porque parece maior que uma banda, parece uma verdadeira comunidade de músicos. E agora estar integrado em algo assim é uma verdadeira honra. Então tem sido muito, muito emocionante.

WM: Você está tocando no Suicidal Tendencies há alguns meses. Como tem sido?

JW: Tem sido incrível. Você sabe, eles têm sido tão acolhedores e gentis. A música fala por si só. É tão bom tocar essa música que significou muito para mim por muito, muito tempo. Fui apresentado à música do Suicidal pela primeira vez quando eu provavelmente tinha 13 ou 14 anos. E a partir daí fiquei totalmente fisgado. Isso me ajudou a apreciar mais profundamente o que chamamos de música crossover. Coisas que misturam elementos de punk rock, hardcore e heavy metal e simplesmente colocam tudo no liquidificador e fazem com que, você sabe, una as pessoas. 

Isso realmente significou muito para mim. Ainda significa muito para mim. Então, sim, ser recebido por esses caras tem sido ótimo. Eu conheço Ben há um bom tempo. Ben Weinman toca guitarra no Dillinger Escape Plan, eu o conheço, tocar com ele é um grande prazer. Tocar com Mike e Dean Pleasants no Infectious Grooves e Suicidal Tendencies tem sido incrível. Tocar com os Trujillo é fenomenal. Então, sim, é como se eu tivesse muita sorte de ter tido, você sabe, essas amizades se transformarem em algo onde agora estamos tocando juntos e é uma oportunidade incrível e estou extremamente grato por isso.

WM: Qual é a sua música favorita do Suicidal Tendencies de se tocar ao vivo?

JW: É engraçado porque normalmente não tenho, normalmente não tenho uma música favorita. Tipo, eu normalmente, com qualquer banda com a qual estou tocando, eu normalmente gosto, você sabe, de tudo, e isso também vale para o Suicidal. Mas há uma música que se destaca para mim que é “Subliminal”. Essa foi uma das primeiras músicas que eu realmente me apeguei quando comecei a ouvir a banda. Então agora tocá-la, e é uma música absoluta, você sabe, incrível, com um riff de guitarra incrível. Essa é a música onde eu sinto que mais me solto. E isso pode mudar por qualquer motivo, você sabe, eu posso achar que prefiro tocar uma música diferente ou algo assim, mas “Subliminal” é muito especial para mim. Eu sinto que toda vez que tocamos isso, apenas clicamos, sabe?

WM: Sim. No ano passado você passou por uma cirurgia no quadril esquerdo. E como você está, como tem sido sua recuperação desde então?

JW: Tem sido boa. Obrigado. Tem sido um desafio, eu estava pesquisando sobre fazer essa cirurgia há cerca de seis anos, eu sabia que teria que fazer isso apenas para manter minha saúde e ser uma pessoa saudável. Mas eu também sabia, e como baterista, é difícil olhar para um período entre quatro e seis meses em que não posso fazer aquilo que mais gosto de fazer, tocar bateria. Então esse foi um desafio que eu sabia que seria um desafio, mas sabia que teria que estar preparado apenas para manter minha saúde. 

E então eu fiz todas as coisas certas. Comecei minha fisioterapia no dia seguinte à cirurgia. Eu estava em uma bicicleta com um buraco gigante no quadril. Mas, sim, foi a coisa responsável a fazer. Estou feliz por ter feito isso. E a recuperação tem sido lenta, mas constante. E estou me sentindo muito bem agora. Meu quadril, você sabe, fica tenso de vez em quando. Não está 100% curado de forma alguma. Mas estou definitivamente melhor do que estava antes de fazer a cirurgia. Então, estou feliz por ter feito isso e por ter tido uma ótima equipe de médicos e fisioterapeutas para me ajudar a voltar a tocar, que era o que eu realmente queria fazer.

WM: É bom ouvir isso. Há algum plano de fazer um novo disco do Suicidal Tendencies?

JW: Espero que sim. Eu definitivamente estaria interessado. Sim. No momento, você sabe, estamos sentindo vontade de tocar uns com os outros ao vivo, o que tem sido fenomenal. É tão bom. E entramos em estúdio, como falamos, para gravar essas músicas especificamente para o Brasil. E, sim, acho que é uma ambição nossa entrar no estúdio e fazer novo material. Um novo disco do Suicidal Tendencies, isso seria incrível. Seria uma ótima oportunidade. Acho que o mundo realmente poderia usar um novo disco do Suicidal Tendencies. Então, se eu puder fazer parte disso, eu adoraria. Isso seria um sonho tornado realidade, com certeza.

WM: E em termos de set list, o que os fãs brasileiros podem esperar desses shows por aqui?

JW: É difícil dizer. Quero dizer, tipo, o setlist muda o tempo todo. Você sabe, Michael muda o setlist enquanto tocamos. Mas, dito tudo isso, acho que as pessoas podem esperar uma gama completa de músicas do Suicidal, de todo o catálogo. Tudo o que queremos fazer é entregar a intensidade que as pessoas podem esperar de Suicidal Tendencies. Então você ouvirá algumas músicas favoritas, poderá ouvir algumas músicas que não esperaria. Mas a nossa intenção é deixar as pessoas realmente felizes com a chegada do Suicidal ao Brasil e estamos trazendo tudo o que o Suicidal tem a oferecer. Então, sim, estamos muito animados. Vai variar bastante, eu acho.

WM: Com certeza. Jay, só queria agradecer pelo seu tempo. Foi uma ótima conversa.

JW: Obrigado. Você também. Nos veremos quando estivermos aí.