Se existe algum consenso no mundo do rock é de que “Stairway to Heaven”, o clássico do Led Zeppelin, é uma das canções mais icônicas e bem executadas da história. Cada integrante do grupo tinha um brilho diferente e juntos eles criavam mágica.

“Stairway to Heaven” mostra exatamente como os membros da banda conseguiam brilhar separadamente, cada um em seu instrumento, e juntos se tornavam algo maiores que eles mesmos. O vocal de Robert Plant, o riff de Jimmy Page, a força guiada por John Paul Jones e a bateria de John Bonham são excepcionais na canção.

Muito disso é creditado a química incomparável que os integrantes tinham entre si, mas o perfeccionismo de Page não pode ser esquecido. E nessa música em especial, ele acertou em cheio ao exigir ouvir nada mais do que o melhor que eles podiam fazer.

Em Led Zeppelin: The Oral History of the World’s Greatest Rock Band (via Far Out Magazine), o engenheiro de som Digby Smith contou que Page pegou pesado com ele mesmo e com os colegas para alcançar a perfeição. “O primeiro take já estava incrível, nenhum erro foi cometido”, mas ele conta que Page insistia que “um take melhor era possível”.

Page pediu a Bonham para tocar mais forte a bateria, algo que ele era conhecido por fazer. Bonham já era um dos bateristas mais poderosos que existia, mas Page sabia que o colega podia pegar mais pesado e que o resultado seria incrível – e ele estava certo.

“Eu ainda lembro dele sentado na bateria, esperando sua vez de tocar”, disse Smith, “Quando ele finalmente começou a tocar, ele tava batendo com tudo”. Bonham já estava nervoso e com raiva de Page por forçá-lo a repetir a gravação tantas vezes, então ele resolveu usar esse sentimento para entregar o que o colega queria. No minuto 6:23 da música você consegue ouvir perfeitamente o que Page estava imaginando para a música.

LEIA TAMBÉM: ‘Becoming Led Zeppelin’: documentário de 50 anos da banda está pronto, afirma diretor

Categorias: Notícias