Max Cavalera deixou o Sepultura em 1997

Andreas Kisser, guitarrista do Sepultura, deu uma entrevista ao Basel Anabtawi, podcaster em Dubai.

Perguntado o que o Sepultura estava procurando ao substituir Max Cavalera, ex-vocalista, Andreas disse: “Uma coisa que nós sabíamos com certeza [era] que não queríamos ter um clone do Max Cavalera – alguém que parecia com ele ou soava como ele. Foram centenas de pessoas que queriam… Porque abrimos a possibilidade de nos mandarem material e conversamos com muitos amigos, conhecemos muitas pessoas diferentes. Queríamos fazer algo novo com alguém novo. E levou um ano, depois que Max deixou a banda, para encontrar [o atual líder da SEPULTURA] Derrick [Green ], porque nós levamos nosso tempo”.

Andreas acrescentou: “Derrick está aqui conosco há mais de 20 anos – é fantástico. E seus vocais cresceram tanto, sua presença no palco, tudo. E no final, acho que você tem que respeitar e viver [no] presente e não tentar reproduzir o que [aconteceu antes]. Respeitamos muito o nosso passado. Na verdade, temos o filme ‘Sepultura Endurance’, que fala sobre essa trajetória, nossa história, e mostra o por que estamos aqui – porque o respeitamos. Respeitamos cada ideia e cada [músico] e [tentamos] levar o Sepultura a lugares diferentes [em vez de tentar recuperar alguma coisa que fizemos no passado] “.

O último álbum do Sepultura, Machine Messiah, foi lançado em janeiro de 2017 via Nuclear Blast. O disco foi produzido pela banda e Jens Bogren, da Fascination Street Studios, em Örebro, na Suécia. A arte da capa foi criada pela artista filipina Camille Della Rosa.

Tags:
Categorias: Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *