Morrissey finalmente se pronunciou sobre o episódio de Os Simpsons com um personagem supostamente baseado nele. Apesar de considerar a representação do personagem passível de processo, o cantor descartou a possibilidade por questões financeiras.

Na primeira declaração sobre o episódio, Morrissey acusou a imprensa de perseguição justamente porque não possui um time jurídico preparado para retaliar ataques. “O ódio demonstrado contra mim pelos criadores de Os Simpsons é obviamente uma provocação digna de processo, mas que requer mais financiamento do que eu poderia reunir apenas para um desafio”, explicou o cantor.

Na longa carta, publicada no site Morrissey Central, o cantor afirmou que a indústria musical boicota artistas “com emoções fortes” e pensamento próprio. “O mundo em geral se tornou uma bagunça hipnotizante, e devemos deixá-lo girar insuportavelmente porque a liberdade de expressão não existe mais”, continuou. “Em um mundo obcecado pelos crimes de ódio, não há nenhuma lei que me proteja”.

Uma publicação inicial de Peter Katsis, empresário do artista, sugeria a possibilidade de um processo judicial contra a animação por representar Morrissey como xenófobo, racista e ex-vegano. Em Panic on the Streets of Springfield, Lisa Simpson tem um amigo imaginário baseado na versão da década de 1990 de Moz, mas se decepciona ao saber que o músico se tornou “um grande racista” atualmente.

LEIA TAMBÉM: Empresário de Morrissey pode processar Os Simpsons por representar cantor como “grande racista”

Categorias: Notícias