Ícone do site Wikimetal
Aquiles Priester e Felipe Andreoli

Aquiles Priester e Felipe Andreoli. Crédito: Divulgação e Reprodução/Facebook

Aquiles Priester “causou e perdeu o emprego” no Angra, explica Felipe Andreoli

Baixista deu versão da banda sobre demissão do baterista

Felipe Andreoli, baixista do Angra, comentou a demissão do baterista Aquiles Priester em recente entrevista e deu a versão da banda para os acontecimentos que levaram a essa decisão. 

Em conversa com o Ibagens Cast, transcrita pelo Wikimetal, o músico negou a versão do baterista. Priester, que permaneceu com a banda entre 2001 e 2008, já atribuiu a demissão à conflito de ego e ciúmes dos colegas pela boa repercussão com o público, mas Andreoli descarta essa narrativa. 

“Nossa postura sempre foi de evitar ficar expondo as coisas internas da banda, entendeu? Especialmente quando não são coisas bacanas. Não tem nada bacana para falar, não fala. Claro que não é bem assim, eu nunca vi alguém ser demitido de uma empresa por ser bom demais, isso nunca acontece”, começou Andreoli. 

Segundo o baixista, a decisão foi adiada por muito tempo, pois ainda havia esperanças de uma reconciliação ou solução amigável. Quando perceberam que não as mudanças esperadas não aconteceriam, a demissão se tornou inevitável. Nas palavras de Andreoli, o baterista “causou e perdeu o emprego”, algo comum em qualquer empresa.

LEIA TAMBÉM: Felipe Andreoli, do Angra, reclama de “chororô” dos fãs: “Se você agrada um, desagrada outro”

“A gente teve os nossos motivos e não foram poucos. E eu digo mais, a gente demorou para tirar o Aquiles da banda, dada a insatisfação que já tinha dentro do grupo pelas atitudes dele. A gente demorou para tirar ele  da banda porque é uma decisão muito difícil de se fazer, imagina você pegar uma banda que fez Rebirth, Temple of Shadows, entendeu? Aí fez o Aurora Consurgens, daí meio que miou [sic], eu estava em um período pessoal de inferno astral total, ninguém querendo acreditar que o negócio estava desmoronando”, continuou. “Não quer dizer que você tem ódio mortal do cara para sempre, não. Não deu mais para trabalhar com ele naquele momento e naquela circunstância”. 

Para finalizar, Andreoli também comentou os efeitos da demissão na vida pessoal. “É uma pena. Com essas rupturas que a gente passou trabalhando junto, tem uma série de outras que ninguém enxerga. As famílias que conviviam, tinham amizade, frequentavam a casa uma da outra, rompem também. Aquiles teve um filho depois de sair da banda que não conheci”, lamentou. 

LEIA TAMBÉM: Kiko Loureiro compara estilo de compor de Mustaine, Andre Matos, Rafael Bittencourt e Edu Falaschi