Histórias sobre bastidores da criação de grandes álbuns da história do rock sempre são interessantes, mas poucas são tão absurdas quanto o plano bizarro e nojento que Zakk Wylde traçou para se vingar de Ozzy Osbourne durante as gravações de No More Tears (1991).

Quem escuta clássicos como “Mama, I’m Coming Home” e “Hellraiser” não pode imaginar o problema enfrentado pela banda na época: as flatulências constantes do Príncipe das Trevas se tornaram um pesadelo na vida dos músicos e equipe, conforme narrado pelo guitarrista e o produtor Duane Baron em entrevista à Metal Hammer

“Ozzy sempre estava soltando essas bombas de fedor. Você poderia usá-las para esvaziar prédios inteiros, não salas. [A equipe] achava que ele não poderia terminar o disco”, explicou Wylde sobre a gravidade da questão, que deixava os presentes “engasgando” com o cheiro. 

“Honestamente, de primeira achamos que ele tinha um problema de verdade. Ele os soltava por toda parte: no estúdio, nos voos, até quando fomos para Las Vegas em um final de semana e ele soltou um no cassino!”, confirmou Baron.

Depois de um tempo, Zakk Wylde resolveu se vingar e contou com a ajuda do baterista Randy Castillo para uma pegadinha nojenta. “Todo dia Oz se sentava em um sofá para assistir aos vídeos da Segunda Guerra Mundial ou algo assim, então eu peguei minha merda enorme em uma bolsa e fiz um pequeno orifício, arrumando até que esteja devidamente escondido no encosto do sofá. Enquanto isso, Randy vai e caga em algum Tupperware, que ele guarda na geladeira para mais tarde”, descreveu o músico. 

Quando Ozzy tentou seguir com a rotina de assistir aos vídeos e procurar algo para comer, teve a desagradável surpresa. “Eu estava apenas tentando assistir meus vídeos da Segunda Guerra Mundial, pensando ‘que fedor horrível é esse?’ Fui buscar algo para comer, pensando que tínhamos algumas sobras … Elas eram sobras de merda, se eram!”, berrou Ozzy, de acordo com Wylde. 

No final, tudo acabou com bom humor. “Hilário para caralho, cara. Havia travessuras como essa acontecendo o tempo todo – era um milagre que tudo fosse feito [no álbum]! Eu posso apenas imaginá-lo puxando a merda do sofá, pensando ‘Quanto eu pago a esses malditos canalhas para cagarem no meu quarto – eu os paguei para fazer isso?!'”, finalizou o guitarrista.

LEIA TAMBÉM: O dia em que Mike Patton urinou no palco do Guns N’ Roses: “Nos trataram como merda”

Categorias: Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *