Confira mais um texto escrito por um de nossos WikiBrothers:

Como uma única banda pode reunir em seu elenco quatro dos cinco maiores guitarristas da Alemanha e quatro dos maiores da história do Rock n’ Roll mundial?”

Gustavo Debastiani

Como todos sabem, grandes bandas saíram e ainda saem da Alemanha, que se tornou um importante berço do Rock n’ Roll na década de 80, como Helloween, Running Wild e Accept. Mas nenhuma banda alemã foi de tão grande importância para o Rock n’ Roll do país, da Europa e do mundo como os hanoverianos do Scorpions. Suas baladas românticas, suas músicas energéticas, seus shows cheios de emoção e carisma com os fãs que retribuem em shows lotados e plateias ensandecidas, os riffs matadores, os vocais estupendos, são apenas algumas das marcas registradas destes alemães que por onde passam arrastam multidões em seus shows.

O Scorpions quebrou e ainda quebra recordes, como um simples: a primeira banda de Rock n’ Roll da Alemanha e, uma difícil, primeira banda germânica a se apresentar no Madison Square Garden, o palco da música mundial. Mas o que está em questão neste texto é: como uma única banda pode reunir em seu elenco quatro dos cinco maiores guitarristas da Alemanha e quatro dos maiores da história do Rock n’ Roll mundial. São eles: Michael Schenker (1972 – 1973; 1979), Uli Jon Roth (1973 – 1978), Rudolf Schenker (1965 – Atualmente) e Matthias Jabs (1979 – Atualmente). Neste texto, falaremos um pouco da carreira de cada um, integrando a maior banda de Rock n’ Roll da história da Alemanha.

Michael Schenker (1972 – 1973; 1979): O prodígio

Não parece que os solos são feitos por um menino de apenas 17 anos”

Michael Schenker começou muito cedo: com apenas 10 anos, ele ajudou seu irmão a fundar o Scorpions, que seria a primeira banda de Rock n’ Roll da Alemanha. Michael já mostrava grande habilidade com a guitarra, mas só passou a integrar definitivamente o Scorpions em 1972, para lançar o primeiro álbum da banda e o único álbum na íntegra que Michael gravou com o Scorpions, o “Lonesome Crow”.

O álbum tem como destaques a voz de Klaus Meine, os solos virtuosos de Michael e as linhas de baixo de Lothar Heimberg. Suas músicas com maior destaque são It All Depends, em que Michael mostra toda sua destreza com a guitarra ao longo de toda a música, Leave Me também tem uma boa aparição de Michael, mas em Inheritance, Action e Lonesome Crow, não parece que os solos são feitos por um menino de apenas 17 anos. Rapidez, agilidade, destreza e virtuosidade são sinônimos do nome Michael Schenker. Com o álbum, o Scorpions entrou em turnê para abrir para o UFO. Neste tempo, o guitarrista do UFO Mick Bolton sai da banda, nisto Michael fazia o show com o Scorpions e depois com o UFO, até que, no meio da turnê com o Scorpions, Michael é oficialmente contratado pelo UFO abandonando seu irmão.

Então, no lugar de Michael, foi contratado Uli Jon Roth, e aí vem fama no Japão e parte da Europa, troca de bateristas, mas sobre isso iremos falar depois. Michael ficou 5 anos no UFO, tempo para se consagrar como um dos melhores guitarristas da época.

À volta ao Scorpions em 1979:

Após a saída de Michael do UFO, seu irmão, Rudolf, viu uma oportunidade do álbum que o Scorpions estava gravando (“Lovedrive”, de 1979), ganhar maior repercussão se um guitarrista já consagrado tocasse nele, já que Uli estava de saída e Matthias Jabs ainda não estava pronto. Michael aceitou o pedido do irmão, mas gravou apenas 3 músicas, que são Another Piece of Meat, Lovedrive e a instrumental Coast to Coast. Mas Michael não conseguia completar alguns shows da turnê devido a problemas com álcool e drogas, em que quase sempre Matthias terminava as apresentações. Com isso, Rudolf preferiu apostar no talento do jovem Matthias do que manchar o nome de sua banda que aos poucos ia conquistando o mundo da música.

Uli Jon Roth (1973 – 1978): O mestre

Uli, com seu estilo Hendrixiano e talento no instrumento se tornou a principal atração do Scorpions, e também um dos principais compositores do grupo”

Com a saída de Michael Schenker do Scorpions para integrar o UFO, Rudolf chama um amigo para encerrar a turnê com a banda, e este amigo era Uli Jon Roth. Uli é fã apaixonado de Jimi Hendrix, e seu estilo de tocar não se diferencia muito do rei das seis cordas. Muitas distorções e efeitos nas músicas são a paixão de Uli, que fez isso muito bem com o Scorpions. Após o termino da turnê de Lonesome Crow, Lothar Heimberg, Wolfgang Dziony e Michael Schenker saem da banda, permanecendo apenas Klaus e Rudolf.

Nisso, há a fusão de duas bandas, do Scorpions de Klaus e Rudolf e da Dawn Road, de Uli Jon Roth. A banda passa a ter então uma nova formação, que contava com Klaus no vocal, Rudolf Schenker e Uli Jon Roth nas guitarras, Francis Buchholz no baixo e Jurgen Rosenthal na bateria. Com o Scorpions, Uli lança grandes álbuns por toda a década de 70, são eles: “Fly to the Rainbow” (1974), “In Trance” (1975), “Virgin Killer” (1976), “Taken by Force” (1977) e o clássico ao vivo “Tokyo Tapes” (1978). Uli, com seu estilo Hendrixiano e talento no instrumento se tornou a principal atração do Scorpions, e também um dos principais compositores do grupo.

O álbum do Scorpions que tem a cara de Uli é “In Trance”, um clássico do Scorpions que foi um sucesso no Japão e boa parte da Europa. As melhores canções de Uli são Speedy’s Coming, Dark Lady (onde ele mesmo canta), In Trance, Evening Wind, Catch Your Train, Pictured Life, In Your Park, SteamRock Fever, We’ll Burn the Sky e o clássico, onde Uli mostra toda sua destreza, The Sails of Charon. No período em que Uli estava com o Scorpions, ele se consagrou como o melhor guitarrista de estilo Metal neoclássico, e um dos melhores guitarristas de todos os tempos.

Ele chegou a ser considerado o 50º melhor guitarrista de todos os tempos, junto com seu parceiro no Scorpions, Rudolf, pela Guitar World. Uli saiu do Scorpions por não concordar com o estio de música que seus companheiros queriam seguir, um som mais puxado para o Hard Rock, enquanto ele queria um som mais experimental. Uli montou sua própria banda após a saída do Scorpions, o Electric Sun, que teve o sucesso muito abaixo do nível de Uli Jon Roth. Ele também foi o inventor da sétima corda da guitarra, e tem seu próprio instrumento, chamado Sky Guitar.

Rudolf Schenker (1965 – Atualmente): O líder

Rudolf é considerado por muitos fãs como a alma do Scorpions”

Desde o primeiro álbum do Scorpions, Rudolf é um dos principais compositores da banda, ao lado de Klaus Meine. Seus riffs matadores, suas composições marcantes, sua presença de palco, seu jeito de tocar e até mesmo seus solos em algumas músicas, o tornam um dos melhores compositores e um dos melhores guitarristas rítmicos da história. Na década de 70, muito pouco, no Scorpions, se dava atenção à guitarra rítmica. Mas a partir da entrada de Matthias Jabs como companheiro de guitarra em 1979, a coisa muda completamente.

Os riffs começam a aparecer, ele tem mais liberdade para compor e a banda para de chamar a atenção por um ou outro membro, e sim pelo todo. Rudolf é considerado por muitos fãs como a alma do Scorpions. Com o seu jeito irreverente, extrovertido, carismático, envolve a platéia nos shows, com toda sua virtuosidade compõe músicas de sucesso, com perspicácia faz seus solos que não são velozes ou complicados, mas são deliciosos de se ouvir e que penetram a alma. Suas melhores canções são: Loving You Sunday Morning, Make it Real, Blackout, Rock You Like A Hurricane, Bad Boys Running Wild, Big City Nights, Still Loving You, Wind of Change, Send Me An Angel, New Generation, The Game of Life, Humanity e Raised On Rock.

Rudolf é o fundador do Scorpions, e eu, como um grande fã desta grande banda, lhe digo o meu humilde, muito obrigado! Muito obrigado por você fundar esta banda, muito obrigado por você criar riffs memoráveis, muito obrigado pelo show que você dá nos shows, muito obrigado por você, ser, o que você é!

Matthias Jabs (1979 – Atualmente): O substituto melhor que a encomenda

Seu estilo é único, com algumas distorções, muita virtuosidade e vários solos épicos.”

Quando Matthias Jabs entrou para o Scorpions, ele dividia a banda com Michael Schenker, mas Michael saia ganhando por já estar consagrado como um grande músico. Mesmo assim, Matthias deu sorte, pois Michael e o Scorpions não deram certo e ele garantiu a vaga de novo guitarrista. Desde o seu primeiro álbum com o Scorpions até o último atualmente, sempre mostrou seu altíssimo nível de agilidade, com solos muito rápidos e elaborados à la Michael Schenker. Seu estilo é único, com algumas distorções, muita virtuosidade e vários solos épicos.

Ele ajuda um pouco com as composições, tendo como a mais conhecida, a música Tease Me Please Me. Se você for ver todas as músicas do Scorpions desde a entrada de Matthias Jabs, você se impressiona por cada uma, e vai tendo a certeza de que ele é e sempre foi o guitarrista certo para o Scorpions. Ele está entre os 30 melhores guitarristas atuais, e pra mim ele é o 3º melhor da Alemanha (1º o Uli e 2º o Rudolf).

Suas principais canções são: Loving You Sunday Morning, Lady Starlight, No One Like You, Arizona, Blackout, Hit Between The Eyes, Tease Me Please Me, Rock You Like A Hurricane, Bad Boys Running Wild, Coming Home, You And I, Wild Child, Hour 1, 321, Spirit Of Rock, Sting In The Tail, Raised On Rock e The Best Is Yet To Come.

*Este texto foi elaborado por um Wikimate e não necessariamente representa as opiniões dos autores do site.

Categorias: Opinião

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *