Lars Ulrich criou o Metallica em 1981

Em entrevista a Jan Grandvall, na Suécia, o baterista do Metallica, Lars Ulrich, falou sobre a primeira vez que se encontrou com o vocalista e guitarrista, James Hetfield.

“[Minha família] mudou-se para Los Angeles, para Newport Beach, um subúrbio no sul, e eu ia jogar tênis no time local da escola. Havia um jogador de tênis australiano chamado Roy Emerson que era próximo do meu pai, e ele tinha um filho chamado Anthony Emerson, e ele era o tenista da escola secundária. Na Dinamarca naquela época eu era meio que classificado entre os 10 melhores do país e blá blá blá, e eu ia a Newport Beach jogar com Anthony Emerson neste time de tênis, exceto que o problema era que quando eu joguei no time do colégio, eu não era um dos sete melhores jogadores da escola. E eu não era nem um dos sete melhores jogadores da rua em que eu morava. Então, literalmente, em um dia, todo o sonho do tênis caiu – caiu e queimou com força – e a música estava esperando para tomar conta. Havia uma 7-Eleven [loja], e a 7-Eleven tinha um jornal local de anúncios classificados chamado Recycler,[…] e havia uma pequena seção sobre músicos procurando bandas e bandas procurando músicos. Então eu coloquei um anúncio dizendo: ‘Baterista procurando por outros fãs de heavy metal’, ou o que for, ‘para começar uma banda. Influências: Diamond Head, Angel Witch, Tygers Of Pan Tang e Venom‘ ou algo assim. E eu recebia todas essas ligações desses caras dizendo: ‘Eu gosto de heavy metal. Eu gosto do Styx e eu gosto de Kansas e eu gosto do Van Halen‘ ou o que for. E ‘Quem é Diamon Head?’ […] E então eu fui e tentei tocar música com um monte de pessoas e nada funcionou. E então, um dia, houve um telefonema de um cara chamado Hugh Tanner, que havia dito se poderia trazer um amigo, e nos encontramos e tocamos música durante uma tarde. E o cara que ele trouxe foi James Hetfield. [James era] muito tímido, super introvertido, mal podia olhar nos seus olhos, mal ter uma conversa. Mas havia alguma conexão com ele enquanto estávamos tocando. E mesmo que nada tenha acontecido naquele dia, acabei ficando meio frustrado com a coisa toda. E agora era junho de 1981, então voltei e passei o verão na Europa e passei algum tempo na Inglaterra com o Diamond Head e Motörhead. Mas quando voltei para os Estados Unidos em outubro daquele ano, liguei para aquele cara do James Hetfield novamente, porque havia apenas uma vibração, uma conexão. E eu disse que se ele quisesse se reunir e ver se havia uma possibilidade de algo, e nós nos conectamos. E 37 anos depois, estou sentado aqui.

Ele era naquela época…eu vinha de uma educação europeia culta, era filho único, muito próximo dos meus pais – meus pais eram meus melhores amigos na época. E ele era exatamente o oposto – o clássico americano rebelde, tipo ‘Foda-se meus pais, foda-se a sociedade, foda-se o homem’ – essa coisa toda…[…] Sei que ele estava muito desconectado de seu pai e ele foi criado por sua mãe que, em seguida, teve câncer quando ele tinha 14 ou 15. E por causa do cristianismo em particular que eles acreditavam, eles não foram autorizados a procurar ajuda médica. Então, basicamente, acho que ao longo de um ano e meio, ele assistiu sua mãe definhar na frente de seus olhos. Então, obviamente, isso teve um impacto significativo nele. Eu o conheci, acho, cerca de um ano depois disso – talvez ele tivesse 17 ou 18. [Ele era] dolorosamente tímido e desajeitado. Mas nós nos conectamos com a música e nos sentamos no meu quarto em Newport Beach e ouvimos, como eu disse, Tyger Of Pan Tang, Girlschool, Saxon e Angel Witch, e todas essas coisas, e ele amava todas essas coisas.

Ele cresceu [ouvindo] mais americanos [artistas como] Aerosmith e Ted Nugent e esse tipo de coisa. Mas encontramos uma linguagem comum e uma coisa em comum com as quais podemos nos sentir conectados e nos identificando. E nós começamos a tocar músicas juntos. A maioria das músicas que começamos eram covers da New Wave Of British Heavy Metal que estavam muito fora do radar, porque queríamos começar a tocar nos shows imediatamente. Então nós achamos que se nós aprendêssemos um set… Muitas bandas nos bares e clubes naquela época estavam tocando músicas do Kiss e Judas Priest, ou o que fosse, então nós pensamos que tocaríamos alguns covers, mas não músicas que as pessoas conheciam. E depois nós tomamos nosso tempo e começamos a escrever nossas próprias músicas mais tarde “.

 

Tags:
Categorias: Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *