Jeff Hanneman faleceu em 2013

Dave Lombardo, ex-baterista do Slayer, escreveu à Metal Hammer sobre seu ex-companheiro de banda, Jeff Hanneman. Você pode ler algumas partes do texto abaixo.

“A primeira vez que encontrei com Jeff foi em 1981, logo depois que Kerry King e eu montamos a banda. Acho que Kerry o conheceu em algum lugar, conversaram, e ele levou Jeff para casa. Ele apenas parecia um garoto surfista e quieto: longos cabelos loiros, vivendo em Long Beach, podia estar em uma prancha de surfe. Eu eu pensei ‘Esse garoto é legal’.”

“Jeff foi uma grande influência no som do Slayer. Nós estávamos no metal típico da época – Judas Priest, Iron Maiden, Rainbow, Deep Purple, sabe? Então um dia Jeff apareceu para ensaiar com a cabeça raspada. Nós ficamos todos ‘Oh, Jeff, o que você faz ?!’ Ele disse: ‘Eu sou punk’. E ele trouxe toda essa música com ele: um pouco de vinil, alguns cassetes – Black Flag, TSOL, Minor Threat, Dead Kennedys, Circle Jerks. Eu fiquei ‘Uau, que rock eu tenho ouvido? Isso é fantástico!’. Nossas músicas se tornaram mais rápidas, mais agressivas depois disso. Foi ele quem trouxe esse elemento para o Slayer.”

“Quando você conhece alguém, especialmente nessa idade, todo mundo fica quieto. Mas quando você começava a conhecer Jeff, ele se abria. Ele definitivamente tinha aquela coisa punk, ‘Foda-se o mundo’, especialmente depois de algumas cervejas.”

“O que muita gente não sabe é que Jeff foi o menos educado musicalmente. Ele era um novato quando se juntou ao Slayer. Eu já tinha tocado em duas ou três bandas antes, então ele não sabia muito, mas ele se desenvolveu e aprendeu sozinho.”

“Eu nunca vi nenhuma competição negativa entre Jeff e Kerry. Ambos queriam o melhor para banda. Tenho certeza que Jeff foi inspirado por Kerry e Kerry por Jeff, especialmente na habilidade de improvisar. Mas ambos foram muito inspirados por KK Downing e Glenn Tipton do Judas Priest“.

“Como todo mundo, você cresce e segue seu próprio caminho. Quando me juntei ao Slayer no início dos anos 2000, estávamos todos um pouco mais maduros, mas Jeff ainda era aquela pessoa feliz e brincalhona que sempre foi. Eu consegui me reconectar com ele. Passávamos muito tempo no ônibus de turnê e conversávamos muito, não em profundidade, apenas em coisas aleatórias.”

“No final do tempo dele no Slayer, ele chegou a um ponto em que sua performance não estava de acordo com o resto da banda. O álcool estava cobrando o preço, e as cirurgias que ele passou também. Foi triste, mas tivemos que tomar a decisão e dar a notícia a ele.”

“Antes de tudo o que aconteceu, não sabíamos quanto tempo Tom Araya queria continuar, porque ele estava pensando em se aposentar já naquela época. Então Kerry e eu estávamos conversando sobre montar uma banda e pensamos ‘Precisamos recrutar o Gary Holt‘, porque nos já o conhecíamos do Exodus. Como se viu, Gary entrou para o Slayer no lugar de Jeff, e isso foi aprovado por ele. Ele era um grande fã do Gary.”

“Se Jeff ainda estivesse aqui e no Slayer, ele não iria querer se aposentar. Ele lutaria para manter a banda funcionando. […] Seu amor e sua paixão era estar no palco.”

“Se há uma única música do Slauer que realmente define o Jedd, é ‘Necrophobic’, do Reign In Blood. Essa foi uma das músicas mais rápidas que fizemos: um som agressivo, brutal e quase monótono. Lembro dele dizendo ‘Isso é rápido, brutal, vamos levar ao limite, ao ponto de não conseguirmos tocar mais rápido’. E foi o que fizemos.”

“Eu penso muito sobre o Jeff. Não apenas quando as pessoas me perguntam sobre ele em entrevistas, mas quando estou sozinho também. Quando você está crescendo, você tem essa atitude de ‘live fast, die young’, mas secretamente pensa que é imortal. Então você para e pensa ‘Ele se foi’ e deixa um espaço vazio no seu coração.”

“Nos últimos anos, provavelmente nos últimos seis meses em que ele esteve em turnê com a banda, ele se sentou no ônibus e refletiu sobre os shows. Ele dizia ‘Cara, Angel Of Death ficou ótima essa noite’. Depois de algumas bebidas ele dizia ‘Eu escrevi isso, Dave!’. Ele estava orgulhoso dos clássicos que criou. Ele estava muito orgulhoso do que ele fez”.

Categorias: Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *