Vicky Cornell acusa médico de ter prescrito remédios que eventualmente levaram ao suicídio do cantor

De acordo com o TMZ, a viúva de Chris Cornell está processando o médico do cantor por negligência. Para ela, o médico receitou remédios que eventualmente levaram o marido ao suicídio.

No processo, Vicky Cornell afirma que o Dr. Robert Koblin prescreveu 940 doses de um remédio anti-ansiedade e mais um analgésico opioide durante os últimos 20 meses da vida do cantor. Esses remédios teriam sido receitados sem exames que comprovassem a necessidade ou os perigos do uso.

Segundo Vicky Cornell, Koblin nunca alertou Chris sobre os perigos de suicídio ou outros efeitos colaterais.

“O uso não monitorado de quantidades excessivas de Lorazepam pode aumentar o risco de suicídio. A droga atrapalha o pensamento, o controle de impulsos e diminui a habilidade do paciente de pensar e agir racionalmente”, diz o processo. “No momento de sua morte, Cornell tinha tudo para continuar vivendo e planejava um futuro de gravações, performances e continuava o trabalha como ativista por caridades”, adiciona.

Em fevereiro, Vicky falou sobre a batalha do marido contra o vício. Ela disse que o comportamento de Chris mudou depois de ter sido receitado um analgésico por causa de um ferimento no ombro.

“Ele ficou com a fala lenta, andava esquecido. Havia momento em que eu achava que ele estava confuso”, disse Vicky Cornell. “O cérebro de alguém viciado em alguma substância é diferente do de alguém que não tem vícios. Ele teve uma recaída”.

Cornell foi encontrado morto em 18 de maio de 2017 em um hotel em Detroit.

LEIA TAMBÉM: Tom Morello revela que canções inéditas do Audioslave poderão ser lançadas

Confira mais notícias sobre: