Nascido David Robert Jones, o “camaleão do rock” foi um dos músicos populares mais inovadores e influentes de todos os tempos.

Cantor, compositor, ator e produtor musical, David Bowie conquistou fãs ao redor do mundo com sua pluralidade e originalidade. Como Bowie, Tin Machine, Ziggy Stardust, ou qualquer outra forma que adotou durante sua vida, ele criou hits e hinos que ressoam por generações.

Aos 69 anos, Bowie entregou seu último ato revolucionário: o álbum Blackstar. Dois dias após o lançamento do disco, dia 10 de Janeiro de 2016, Bowie perdeu sua luta contra o câncer e faleceu em sua casa em Nova York. Tony Visconti, produtor de longa data do músico, contou após sua perda:

“Ele sempre fez o que quis. E ele queria fazer as coisas do jeito dele, e da melhor maneira possível. Sua morte não foi diferente de sua vida – uma obra de Arte. Ele fez Blackstar para nós, é o seu presente final. Eu sabia por um ano que isso aconteceria desse jeito. Não estava, entretanto, preparado. Ele era um homem extraordinário, cheio de amor e vida. Ele sempre estará conosco. Por ora, é apropriado chorar.”

Hoje, celebramos o que seria seu 72º aniversário com as onze melhores faixas desse grande gênio da arte.

11. “Starman” do disco The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars (1972)

O álbum The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars foi um dos trabalhos que melhor resumiu a fixação de Bowie pelo espaço e outros planetas. O primeiro hit do álbum, “Starman”, ajudou o músico a introduzir a persona Ziggy Stardust ao público.

10. “China Girl” do disco The Idiot (1977)

Além do seu impecável trabalho autoral, Bowie também tinha um grande talento para covers. Uma de suas mais famosas é “China Girl”, faixa originalmente composta para o primeiro disco de solo de Iggy Pop, The Idiot (1977). A canção foi escrita pela dupla especialmente para o álbum do ex-Stooges, mas atingiu sucesso após a regravação de Bowie.

9. “Lazarus” do disco (2016)

Bowie foi aventureiro e revolucionário até seus momentos finais. Seu 25º e último disco, , foi gravado durante uma maratona de sessões no estúdio em 2014, quando o cantor passava sete horas gravando os vocais sem parar. Lançado dois dias antes de sua morte em 2016, o álbum, e especialmente a faixa “Lazarus” – que ganhou um clipe impressionante -, ganharam uma força excepcional. Veja um trecho da faixa, que foi compartilhando por diversos fãs do músico após sua morte:

“Olhe aqui pra cima, estou no céu
Tenho cicatrizes que não podem ser vistas
Tenho o drama, não pode ser roubado
Todo mundo me conhece agora

Olha aqui pra cima, cara, estou em perigo
Eu não tenho nada a perder
Estou tão chapado que o meu cérebro gira
Deixei meu celular cair lá embaixo
Isso não é a minha cara?”

8. “Fame” do disco Young Americans (1975)

Primeira música de Bowie a liderar o topo das paradas americanas, “Fame” nasceu de forma extraordinária: o cantor convidou John Lennon para gravar uma versão de “Across the Universe” e a visita rendeu uma jam session. Lá, os cantores trabalharam em algumas rimas e ritmos, que mais tarde serviram na criação do hit.

7. “The Man Who Sold The World” do disco The Man Who Sold The World (1970)

O disco The Man Who Sold the World foi o primeiro com a banda clássica de Bowie, Spiders from Mars, que o ajudou a estabelecer seu som. A canção ganhou diversas versões de diferentes artistas, sendo a mais famosa feita pelo Nirvana na histórica apresentação no MTV Unplugged. Kurt Cobain uma vez disse que The Man Who Sold the World é um dos seus 50 álbuns preferidos, comentário que emocionou Bowie.

6. “Rebel Rebel” do disco Diamond Dogs (1974)

Dois anos após apresentar Ziggy Stardust ao mundo, Bowie se despediu do glam-rock com o hino “Rebel Rebel”, sua faixa mais apresentada até hoje. A canção foi originalmente escrita para um musical de Ziggy Stardust que nunca chegou a acontecer e foi inspirada em Keith Richards e seu trabalho no Rolling Stones, principalmente seu riff.

5. “Heroes” do disco Heroes (1977)

David Bowie gravou poucas faixas comerciais, principalmente na década de 1970, mas “Heroes” está entre elas. Apesar de não ter feito sucesso na época do seu lançamento, a canção conquistou os fãs aos poucos, atingindo grande fama na década de 1990. Hoje, a música é uma das mais conhecidas e amadas do catálago de Bowie.

4. “Changes” do disco Hunky Dory (1971)

Bowie já havia conquistado grande fama no início dos anos 70, mas foi apenas com o lançamento de “Changes” que seu sucesso saiu do Reino Unido e atravessou o oceano com destino aos Estados Unidos. Sua letra é frequentemente interpretada como uma declaração da flutuação de sua personalidade. A faixa se tornou icônica quando Bowie a escolheu para ser a última canção apresentada ao vivo antes de se aposentar dos palcos em 2006.

3. “Space Oddity” do disco David Bowie (1969)

Inspirado no filme 2001: A Space Odyssey de Stanley Kubrick, a faixa acompanha Major Tom, um astronauta que se perde no espaço. A comando da gravadora, o hit foi lançado em 1969, mesmo ano que o Apollo 11 foi para a lua e serviu de trilha sonora para a cobertura do evento pela BBC. “Space Oddity” veio após algumas tentativas de Bowie em encontrar seu som. A faixa foi uma parceria com o produtor do Elton John, Gus Dudgeon.

2. “Ziggy Stardust” do disco The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars (1972)

Apesar de nunca ter sido lançada como single, “Ziggy Stardust” é uma das canções mais amadas pelos fãs de Bowie. Nela, podemos aprender um pouco mais sobre a persona, como o fato dele gostar de participar de jam sessions com seus amigos Weird e Gilly. Ziggy Stardust é pálido e tem um cabelo estranho. Já a música, é um hino do glam-rock.

1. “Life On Mars?” do disco Hunky Dory (1971)

Uma das músicas mais famosas de Bowie, “Life On Mars” apresenta um dos melhores momentos do vocal do camaleão do rock. A faixa explora a pluralidade do seu talento e reforçou a temática lúdica e moderna de sua personalidade.

Confira mais notícias sobre: