OS 5 ARREPENDIMENTOS NO LEITO DE MORTE

Por Daniel Dystyler

Alguns meses atrás eu estava conversando com uma pessoa quando o assunto desviou para “a importância real que as profissões têm na vida das pessoas”. O impacto que determinadas atividades profissionais têm no curso da vida de pessoas normais como eu ou você.

A tese que essa pessoa defendia era que existem profissões que são realmente importantes, fundamentais na vida das pessoas e outras atividades que não são tão vitais e não vão causar tanto impacto.

E pra mim ao menos, é muito claro que algumas profissões são explicitamente importantes. O exemplo óbvio é um cirurgião que vai operar algum conhecido, mas existem inúmeras outras atividades que realmente impactam: Um excelente professor que formou alunos para a vida; bombeiros que colocam sua vida em risco para salvar alguém; e por aí vai uma infinidade de atividades que têm real impacto (algumas mais, outras menos) na vida das pessoas: Engenheiros, Filósofos, Advogados, Veterinários, Policiais, Sociólogos, Ativistas, Jornalistas, Psicólogos entre muitas outras.

E isso me fez pensar muito desde então…

Trabalhar com música? Será que música é importante?

É claro que é importante, mas será que é importante e impactante no nível de uma dessas atividades acima? Será que vai mudar a vida de alguém?

Antes de me dedicar integralmente ao Wikimetal eu trabalhava com Tecnologia da Informação e eu fiz projetos que seguramente são muito fáceis de encontrar essa “importância pra vida das pessoas”. Eu fiz projetos pra Hospitais, pra Universidades, pra Tribunais de Justiça, pra Departamentos de Segurança, enfim, projetos que seguramente impactaram e melhoraram a vida de muitas pessoas.

E agora, estou dedicado ao Wikimetal… A disseminar… ahm… música.
Aliás, apenas um tipo de música: Rock. Hard Rock. Heavy Metal.

Isso ficou realmente martelando na minha cabeça. Será que estou fazendo certo em dedicar a minha vida profissional a isso?

Claro que as pessoas gostam de música. Mas será que isso é realmente importante nesse nível?

Será que perder tempo com isso é bom? É relevante? Fará bem pras pessoas? Será que o Wikimetal agrega qualidade à vida das pessoas? Ou elas estão perdendo tempo vital da vida delas ao ler nossos posts, responder nossas quizzes e enquetes, ver nossos vídeos, ouvir nossos episódios e músicas, mandar comentários e emails pra gente?

Existe uma ideia disseminada que gastar tempo com música é um desperdício. Não é vital. Não é importante. Não é comida, saúde, ar. Qualquer um vive sem música. Ninguém vive sem água.

Ou em outras palavras, a ideia impregnada no pensamento, “Imagine chegar ao fim da sua vida e você se arrepender de ter perdido tanto tempo precioso com Rock ou Metal”.

Hun… Será que é verdade?

Isso realmente me incomodou, afinal eu não quero gastar o tempo da minha vida fazendo o Wikimetal e incentivando pessoas a gastarem tempo da vida delas com coisas que elas se arrependerão no final. Mais do que isso: Eu quero impactar positivamente a vida das pessoas!

Então essa pergunta não parava de me perturbar:

Quando estivermos em nossos leitos de morte, vamos nos arrepender do tempo que gastamos no Wikimetal, ouvindo Rock ou Heavy Metal?

E então semana passada eu assisti a uma palestra.

E no meio dessa palestra, a menina que estava apresentando comentou sobre uma enfermeira que dedicou sua vida a acompanhar doentes terminais em suas últimas semanas de vida. Ela coletou inúmeros depoimentos de pessoas que estavam no leito de morte, prestes a morrer, sobre o que elas mais se arrependiam nas suas vidas.

Estes são os 5 principais arrependimentos das pessoas na hora de morrer:

1. Eu queria não ter trabalhado tanto.
2. Eu queria ter mantido mais contato com amigos.
3. Eu queria ter me permitido ser mais feliz.
4. Eu queria ter tido a coragem de expressar meus sentimentos.
5. Eu queria de ter tido a coragem de ter vivido uma vida verdadeira pra mim e não pro que os outros esperavam de mim.

Não conseguia mais ouvir o resto da palestra.

Minha mente não parava de “pulsar intensamente” (a expressão adequada talvez não seja essa, mas as sinapses aceleraram, a cabeça rodou, o chão sumiu e eu não consegui me concentrar mais no resto da palestra). Só pensava nisso e no valor do Wikimetal e de gostar de música e de Heavy Metal.

O motivo desta “epifania”? É muito simples. E maravilhoso. Vejamos:

Ninguém disse “ah, eu queria ter gastado mais tempo ouvindo música”, mas ao mesmo tempo, esses 5 arrependimentos no leito de morte são 5 clamores por coisas que o Wikimetal e gostar de Metal ajudam a buscar:

1. Eu queria não ter trabalhado tanto.
Será que pra muitos WikiBrothers isso não significa, relaxar ouvindo o “Powerslave” do Iron Maiden ou o “Master Of Puppets” do Metallica (ou qualquer álbum ou música que você queira escolher)? Ou ter uma pausa no trabalho ouvindo um episódio do Wikimetal?

2. Eu queria ter mantido mais contato com amigos.
Será que o incentivo a ir em shows que o Wikimetal tanto prega ajuda as pessoas a manterem contato com seus amigos? Será que um post nosso faz com que alguém compartilhe com algum amigo que não falava faz tempo (como vejo constantemente no Facebook uma pessoa marcar a outra)? Será que sermos uma plataforma online não permite amigos se reencontrarem por conta do amor à música ou a determinado tema abordado pelo Wikimetal? Será que novas amizades se formaram por conta do Metal? Será que essas amizades, forjadas no Metal e pelo Metal, são amizades duradouras que podem sobreviver 20, 30, 40 anos (como a minha amizade com o Nando e Rafa, por exemplo)?

3. Eu queria ter me permitido ser mais feliz.
Será que as pesquisas que mostram que ir num show, participar de um mosh pit, ter essa catarse, faz as pessoas viverem melhor, mais aliviadas, mais leves, em suma, mais felizes? Será que como Sam Dunn mostrou no fim de seu documentário, o Metal é uma válvula de escape que faz jovens de todas as idades se encontrarem e serem mais felizes?

4. Eu queria ter tido a coragem de expressar meus sentimentos.
Será que ficar fazendo “Air Guitar” no seu quarto, ao som de “Painkiller” não ajuda a colocar pra fora o seu desejo de mostrar o que você gosta e curte e como você é? Será que usar uma camiseta do Sepultura não é uma forma de mostrar que tipo de atitude e sentimentos você tem? Será que o êxtase de cantar alto “Run… Live To Fly… Fly To Live…” à plenos pulmões, rodeado de amigos, seja num bar, seja no show do Iron Maiden, não é uma forma de demonstrar seus sentimentos?

5. Eu queria de ter tido a coragem de ter vivido uma vida verdadeira pra mim e não pro que os outros esperavam de mim.
Essa é fácil.. Será que há algo mais verdadeiro do que ser um Headbanger? Por natureza, o Headbanger já escolheu o caminho mais difícil, porém verdadeiro. A roupa, o cabelo, o som, qualquer desses elementos não aceitos naturalmente pela sociedade, por definição fazem o caminho ser mais difícil. Seria muito mais fácil adaptar-se ao comum, ao normal, ao que “todo mundo usa”. Mas será que “ser Metal” não é por definição “ser verdadeiro pra mim e não pro que os outros pensam ou esperam”, que é exatamente a definição deste arrependimento?

Bem… Eu não sei quanto a vocês que gastaram tempo de sua vida lendo este texto e gastam tempo no Wikimetal e gastam tempo ouvindo músicas de Hard Rock ou indo a shows de Heavy Metal. Mas pra mim, a mensagem é muito clara e simples:

Gastar tempo ao longo de toda a vida curtindo Metal vai praticamente eliminar a chance de você ter algum desses 5 arrependimentos no final da sua vida, no leito de morte.

Porque cada um de nós terá vivido uma vida muito mais próxima dos nossos sonhos e rodeada de amigos.

Estou muito feliz em dedicar a minha vida profissional ao Wikimetal.

Clique aqui para ver os outros textos escritos por Daniel Dystyler

Ouça as novidades e dicas de Daniel Dystyler:

Categorias: Opinião

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *