Texto escrito pelo WikiBrother Gabriel Brandino, do @moshinhell

Uma das bandas que melhor conseguem expressar seus sentimentos em forma de música, é o Nightwish. E a música que vamos explicar o significado hoje consegue manifestar muito bem essa ideia, “Dead Boy’s Poem”.

Assim como a grande maioria das canções da banda, ela foi escrita por Tuomas Holopainen. Tuomas é um músico genial, e várias de suas composições são inspiradas em sua própria vida e imaginação.

Desde o início da carreira, a banda nunca gostou de explicar o significado de suas músicas, principalmente porque as letras podem ter várias interpretações. Porém, no documentário End of Innocense, Tuomas falou brevemente sobre essa canção, e disse: “Um dia eu percebi, e se eu morresse amanhã? Haveria tantas pessoas e coisas para eu falar. Então, eu fiz essa música, espero que essas pessoas consigam se reconhecer.”

É como se a música fosse uma “carta”, escrita para seus entes queridos, seus amigos e também seus inimigos. Mas além disso, ele aproveita essa música para desabafar sobre sua vida, e sua infância…pois a música fala sobre um jovem que é mal compreendido.

“Surgido do silêncio, o silêncio cheio de si
Uma perfeita harmonia, meu amigo
Há tanto por viver, há tanto por morrer
Se ao menos meu coração tivesse um lar…”

Ele nunca teve ninguém próximo ou com quem pudesse conversar, e sua música é onde ele pode colocar seus sentimentos. Sua música lhe dá o impulso para continuar vivendo e ele coloca tudo nisso.

“Cante o que não puder dizer
Esqueça o que não puder tocar
Precipite-se em afundar em belos olhos
Caminhe pela minha poesia, este réquiem
Minha carta de amor a ninguém.”

A próxima estrofe é bastante marcante, e é provavelmente um dos momentos mais autobiograficos da canção:

“Se por ventura chegar a ler estas linhas, lembre-se não das mãos que as escreveu, lembre-se apenas do verso, o choro de um escritor, um choro sem lagrimas […]
O conforto de casa, o colo da mãe, a chance para a imortalidade.
Onde ser querido virou uma sensação a qual nunca conheci…o doce piano descrevendo minha vida”.

E aqui uma teoria bastante plausível, muitos fãs acreditam que essa próxima estrofe possa ser para Tarja Turunen, antiga vocalista da banda, e possível eterna paixão de Tuomas.

“Ensine-me o que é paixão, pois temo que esta já esteja extinta
Me mostre o amor, me proteja da dor
Ha muito mais que eu gostaria de oferecer aqueles que me amam
Me desculpe
O tempo dirá este cruel adeus
Eu não mais vivo para envergonhar, nem a mim e nem a você.
E você…Gostaria eu de não sentir mais nada por você…”

Então ele termina a canção com uma estrofe fazendo referência ao oceano, algo bastante comum em suas composições.

“Uma alma solitária…
Uma alma oceânica…”

Tags:
Categorias: Notícias