O quinteto de metal alternativo/metalcore de Melbourne, Future Static, retornou no início do mês de uma forma inesperada com um cover de metal do sucesso global de reggaeton de 2004 do rapper porto-riquenho Daddy Yankee, “Gasolina” – disponível agora pelo selo Wild Thing Records.

A novidade trouxe diferentes reações do público. Há quem goste da mistura de gêneros, apontando que o heavy metal não deveria ter limites, e quem acredita no extremo oposto, dizendo que não se deve misturar sons tão diferentes.

Em meio a tantos comentários, a vocalista Amariah Cook divulgou uma carta aberta sobre o assunto, contando um pouco sobre a motivação por trás da versão de “Gasolina”: “Pessoalmente, sempre lutei para unir esses dois mundos muito opostos e as pessoas nele por muitas razões além das mencionadas acima. Mesmo depois de lançar nosso cover de ‘Gasolina’ como uma última pequena tentativa de misturar os dois gêneros, parece quase impossível. Sinceramente, parte meu coração que gêneros inteiros cheios de música, bons, ruins e tudo mais, sejam evitados por um grupo social aparentemente oposto sem hesitação ou reflexão; simplesmente porque as diferenças socioculturais parecem muito contrárias à compreensão.”

Ela conta que o amor por esses gêneros veio desde cedo: “Cresci em Barcelona. Foi o lar de muitos latinos, especialmente em L’Hospitalet del Llobregat, onde morei pelo menos metade desses anos. Eu me vi realmente me adaptando a algumas de suas tendências culturais, especialmente musicalmente. Eu me envolvi pela música fisicamente estimulante chamada ‘Reggaeton’ graças ao meu primeiro melhor amigo, que era colombiano (…) Eu realmente comecei a me apaixonar por muitas das músicas que criaram a trilha sonora involuntária da minha vida naquele início de adolescência, independentemente de ter sido criado por músicos clássicos que também ouviam artistas como Def Leppard, Pink Floyd, Queen e Prince.”

Porém, ela logo percebeu que a união dos gêneros seria complicada: “Sempre alternei entre vários gêneros e os amei igualmente, dependendo das pessoas com quem queria me conectar na época. Isso é o que a música sempre foi e, sinto, sempre será para mim: um agente de união para as complexas substâncias químicas que compõem a personalidade de todos. No entanto, havia um grande problema que enfrentei inúmeras vezes em diferentes situações: tanto metalheads quanto reggaetoneros são inimigos mortais. Sempre me peguei questionando se o gosto musical tem algo a ver com essa rejeição consistente, ou se é devido a um contraste inconfundível de tipos de personalidade, inibindo o nascimento de uma conexão interpessoal, e a repulsa a esse gênero específico foi causada pelo extremo disparidades na cultura e na perspectiva pessoal.”

“Muitos metalheads irão argumentar que o reggaeton, como uma generalização, foca seus temas líricos e visuais em mulheres degradantes, o que ninguém pode contestar. No entanto, o que gostaria de deixar claro é que, por muitos anos, as canções populares de rock e metal também usaram assuntos semelhantes em seu conteúdo criativo. O rock e o metal também foram chamados de ‘sexistas’ devido a uma grave falta de mulheres aceitas como iguais na indústria, como musicistas ou em qualquer outra função. Isso parece bastante hipócrita, visto que o nascimento precoce do rock foi induzido por Rosetta Thorpe.”

“Embora demore um pouco de aclimatação, a maior parte do metal é incrivelmente emotivo e penetra mais fundo na psique humana e no alcance emocional do que muitos podem perceber. A energia bruta e o poder combinados com a quantidade absurda de técnica e maestria do próprio instrumento para tocar grande parte da música escrita nos subgêneros do metal, espera um nível de apreciação semelhante àquele em que um físico vê as fórmulas rabiscadas sobre como a gravidade funciona dentro da singularidade de um buraco negro. Embora muito disso possa ser apenas barulho e às vezes é exatamente por isso que nos apaixonamos: o puro caos pode ser incrivelmente terapêutico para muitos.”

Para finalizar, Amariah deixa como mensagem: “Dê um passeio fora da sua zona de conforto e, se sinceramente não gosta do som desses outros mundos, tem direito a uma opinião. No entanto, devo insistir: não economize nas mercadorias de outra pessoa só porque você não as entende.”

Categorias: Notícias