Em 1991, Nirvana lançava o álbum de maior sucesso comercial da carreira com Nevermind, um disco icônico que mudou a história da banda para sempre. Chegar ao patamar dos grandes nomes da música não foi um processo sem dores, como lembra Dave Grohl

Na época, a banda estava fazendo shows em pequenas casas, todos compartilhando uma pequena van para comparecer aos eventos, quando “Smells Like Teen Spirit” estreou na MTV e explodiu. Na visão de Courtney Love, ali estava traçada a sentença de Kurt Cobain, que cometeu suicídio em 1994.

Em recente entrevista à Vulture, Grohl contou como as coisas começaram a mudar para o grupo depois da estreia do clipe na televisão. “Não sabíamos muito disso porque estávamos presos em uma van com um trailer da U-Haul (…). Me lembro da noite em que o vídeo ‘Smells Like Teen Spirit’ estreou na MTV no 120 Minutes. Kurt e eu costumávamos dividir um quarto. Nós sabíamos que passaria no programa”, narrou. Naquela noite, percebemos que tínhamos passado de uma banda em uma van com U-Haul para uma banda em uma van com U-Haul na porra da TV. Mas estávamos nos movendo tão rapidamente naquele ponto. Acho que não percebemos o que estava acontecendo até meses depois. A única coisa que notamos foi a quantidade de pessoas nos shows”.

LEIA TAMBÉM: Dave Grohl admite ainda estar processando a morte de Kurt Cobain: “Tenho sonhos em que estamos no Nirvana”

Com os ingressos esgotados para os pequenos clubes com capacidade para 200 pessoas, a banda percebia mais 200 fãs tentando entrar nas apresentações. Com o sucesso estrondoso, algumas tensões começaram a surgir entre os integrantes nos anos seguintes e Cobain até considerou mandar Dave Grohl embora, mas depois optou por continuar com o baterista.

Para Grohl, o último ano de vida de Cobain, no período entre 1993 e 1994, foi o mais conturbado. “Honestamente, você acordaria todos os dias sem saber o que aconteceria a seguir. Estávamos em um terreno instável por uma série de razões, a maior delas sendo que a ascensão repentina à fama naquela banda foi traumática. Não posso falar por Kurt, e geralmente não faço isso porque ele não está por perto para falar por si mesmo. Cada um de nós lidou com isso de maneiras diferentes, mas no final das contas isso é uma coisa difícil de navegar”, continuou. “Tínhamos evitado o apelo comercial convencional e éramos perfeitamente felizes em nosso mundo atrás da porra das sombras. Então nos tornamos um deles. Como você processa isso? Havia muito caos dentro e fora da banda. Você tinha que se segurar para salvar sua vida e torcer para que a jornada não parasse”.

LEIA TAMBÉM: Nirvana: a relação entre religião, luto e a busca por sentido em “Lithium”

Categorias: Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *