Durante uma aparição no The Eddie Trunk Podcast, o guitarrista Bruce Kulick olhou para trás, em 1984-1996 no Kiss, durante a era sem maquiagem da banda.

Questionado sobre o falecido baterista da banda Eric Carr, que morreu em 1991, e se Eric o recebeu bem ao entrar na banda, Bruce respondeu: “O que foi realmente interessante foi… Eu sabia que ele adorava estar no Kiss, e ele já entrou em uma montanha-russa completa. Quando você pensa sobre isso, eu não o conhecia quando ele disse, tipo, ‘Tudo bem, que personagem maquiado você vai ser?’. E aquele drama de última hora, ele simplesmente se tornou The Fox no dia do show ou algo assim, e ele realmente acertou em cheio e acertou o rolo e a vibração certa”.

“Mas o que quero dizer é que ele descarregou um pouco em mim, algumas de suas frustrações com o Kiss. E eu era o cara novo que está emocionado por se apresentar com o Kiss, mesmo que fosse temporário”, continuou. “Eu não era um bom público para nenhuma de suas queixas, embora mais tarde, anos depois, eu entendesse melhor. Porque você entra em uma situação com grandes personalidades, Gene [Simmons] e Paul [Stanley], você vai ter algumas frustrações.

Bruce Kulick afirma que ele certamente conseguiu estabilidade na banda, e por conta disso, sente que o grupo se uniu.

O entrevistador elogia Kulick por seu trabalho no Kiss durante a era sem maquiagem da banda, e que ele foi o mais icônico da época. 

“Que grande oportunidade eu tive no Kiss, e que grande trabalho eu fiz, e o Kiss, é claro, conhecido por todas essas décadas de música… Eu tenho que representar isso, eu sinto que estou destinado a fazer isso, e Gene e Paul, eles estão muito cientes disso. Eles adoram no cruzeiro, eles amam minha banda, todos”, disse.

“Portanto, tem sido uma verdadeira vitória para os fãs, para mim pessoalmente, a honra que tenho de trabalhar com caras tão bons e talentosos, e o fato de que as pessoas realmente amam a minha época”, afirmou.

Confira a entrevista completa aqui.

Categorias: Notícias