Texto por Murilo Henrique

O rock pode ter sido criado nos Estados Unidos (pelo menos da forma como a maioria das pessoas conhece  e consome) assim como todos os seus subgêneros espelhados em uma gama imensa de variantes que marcaram gerações, e até hoje chamam a atenção por aí e abraçando toda uma multidão de países a fora, e falando justamente de localização global e diversidade, um power trio de Pretoria, na África do Sul, vem chamando muita atenção por sua excelente qualidade. Nada mais nada menos do que os rapazes do Ruff Majik.

A banda evoca um som no estilo sludge/stoner, onde se é visivelmente notada influências de Kyuss, Black Sabbath, Fu Manchu e Queens Of Stone Age, com guitarras arrastadas, uma produção a lá lo-fi, baixos sólidos e baterias rápidas e conscientes, trazendo no mesmo momento aquela sensação de se estar em um carro desgovernado nas estradas que cortam os desertos áridos de países quentes e abafados. 

A banda vem com um disco novo excelente lançado em 2019 chamado Tårn, para amantes de stoner rock, é um prato cheio e de se lambuzar os dedos, qualidade essa vista na música “schizophrenic”, mostrando que além de barulho, há muita qualidade na banda ao desenvolver composições cheias de distorções, breakdown e solos de revirar a alma no corpo. 

Para quem nunca ouviu, vale muitíssimo a pena. A banda entrega discos sólidos e muito bem produzidos (e tocados), particularidade essa que pode agradar tanto a gregos e troianos, fora a oportunidade única de se conhecer outras cenas a redor do mundo com ótimas produções musicais e de conteúdos excelentes, caso do próprio Ruff Majik.

A nova fase do grupo teve estreia com o single “Who Keeps Score” que faz parte do disco The Devils Cattle, previsto para sair dia 30 de outubro pela Mongrel Records. Confira logo abaixo.

Categorias: Notícias Opinião