Você poderá se surpreender com a qualidade de certos grupos desconhecidos e obscuros. Vamos fuçar!”

Por Ricardo Batalha (*)

Mesmo com os recentes lançamentos marcantes de bandas veteranas do mainstream, como Iron Maiden, Slayer ou Motörhead, nivelando a preferência e os comentários da maioria dos fãs nas redes sociais, é sempre interessante o ato de garimpar.

A pesquisa, seja ela feita como nos anos românticos das trocas de gravações em K-7 ou agora, indo atrás de música por streaming, em downloads ou pelo YouTube, felizmente ainda atrai boa parcela dos que gostam de música pesada. É por isso que gostaria de apresentar uma banda de Hard Rock chamada Outlaw Blood, que só aqueles mais fuçadores conhecem. E curtem!

O cinema geralmente brinda fãs de Rock com bandas fictícias. Todos se lembram do Spinal Tap ou do Steel Dragon, aquele do filme “Rockstar”, que reuniu o guitarrista Zakk Wylde, o baixista Jeff Pilson, os vocalistas Miljenko Matijevic (Steelheart) e Jeff Scott Soto e o baterista Jason Bonham. No entanto, uma figura não tão conhecida que tocou junto com Jason Bonham é Marti Frederiksen. Juntos, eles integraram um grupo chamado Motherland. Até aí, nada demais. É, mas o que poucos sabem é que foi Frederiksen quem registrou os vocais da banda Stillwater, aquela fictícia do “Quase Famosos”.

Lançado há quinze anos, o filme dirigido por Cameron Crow levou um Oscar de “Melhor Roteiro Original”. Só que Frederiksen se firmou mesmo como um produtor e compositor de sucesso. A lista de trabalhos dele inclui Aerosmith, Def Leppard, Ozzy, Mötley Crüe, Mick Jagger, Sheryl Crow, Brother Cane, Pink e muitos outros.



Pode procurar que você vai curtir faixas como Tower Of Love, Sink My Teeth, Soul Revival, I’m In Shock e Red Hot ‘N’ Blue

O Outlaw Blood foi criado no começo da década de 90, quando Marti Frederiksen uniu as forças com o vocalista Marc McCoy, o guitarrista Rick Harchol, o baixista Nick “The Hammer” Parise e o baterista Larry Aberman. No papel, podem parecer meros desconhecidos mas o saudoso McCoy (falecido em 2000), além de cantar, tocava baixo e guitarra e fez parte do Fantasy 7, que contava com o ex-Sex Pistols Steve Jones. O baterista Aberman, por sua vez, integrou o Dirty Looks e gravou “Your Filthy Little Mouth” (1994) ao lado de David Lee Roth.

O grupo norte-americano lançou seu único álbum, homônimo, pela gravadora ATCO em 1991. Tinha enorme potencial, mas nem teve tempo para alçar voos mais altos. Produzido por Jeff Paris, o obscuro e único trabalho tem tudo para agradar fãs de Bang Tango, Shark Island, Billy Idol, Def Leppard e The Cult. Pode procurar que você vai curtir faixas como Tower Of Love, Sink My Teeth, Soul Revival, I’m In Shock e Red Hot ‘N’ Blue.

Portanto, meu amigo, quando você ver um post relacionado, uma indicação do Spotify, de outros meios que a internet oferece ou uma simples dica de um amigo, dê o play. Você poderá se surpreender com a qualidade de certos grupos desconhecidos e obscuros. Vamos fuçar!

Visualização recomendada:



(*) Ricardo Batalha é redator-chefe da revista Roadie Crew e diretor da ASE Assessoria e Consultoria.

Confira outros textos da coluna Campo de Batalha

Categorias: Opinião