O último álbum do Satyricon foi lançado em Setembro de 2017

Em entrevista a Tv War, o vocalista do Styricon, Sigurd ‘Satyr’ Wongrace, falou sobre as mudanças e a evolução do Black Metal, desde os anos 90.

“O que expressamos é também um sinal dos tempos em que vivemos. Para mim, se eu ouvisse uma banda hoje que soa como 1992, 93, eu pensaria comigo mesmo que [existem] três possibilidades distintas: número um: eles não sabem como se desenvolver musicalmente. Número dois: eles estão tentando fazer isso porque eles especulam que há pessoas que querem ouvir esse estilo e tentam fazer o que eles acham que as pessoas querem ouvir, ou número três: que eles são loucamente apaixonados por isso, que não querem dar o próximo passo no desenvolvimento musical – isso também é uma possibilidade. Mas para nós do Satyricon, tem sido natural tentar olhar para frente, mas sempre com o espírito do Black Metal e eu sempre disse que o que me intrigava com o Black Metal é que ele contém tantas coisas. Existem duas maneiras de tentar definir a cultura Black Metal, uma é muito dogmática, é cheia de regras: ‘Isso é permitido, isso não é permitido, tem que ser assim, não pode ser de outro jeito’, ou como eu vejo, que é uma forma obscura de expressão dentro do gênero Metal, que tem um grau muito maior de liberdade do que outras fórmulas mais pré-definidas. Como o Ac/Dc, Motörhead, isso só pode ser assim. O que os fãs do Iron Maiden diriam se fizessem algo drástico? É impossível. Seria uma catástrofe. Mas, por exemplo, na música ‘Dissonant’ no [último álbum do Satyricon] Deep Calleth Upon Deep, há um saxofone de Jazz que faz a sua parte e dá uma certa vibe à música, mas tudo que eu ouvi é que as pessoas assim, porque eu acho que as regras são diferentes do Black Metal. Mas é difícil para as pessoas que estiveram nisso por um longo tempo, que esperavam que as coisas fossem de uma certa maneira, entender que há novas gerações de fãs que vêm com idéias diferentes. E eu entendo isso. Eu tento falar sobre algumas das bandas antigas para jovens fãs e eles não se importam. E eles falam sobre um álbum como Now, Diabolical como um disco antigo, mas ele foi lançado em 2006. Mas algumas das pessoas que eu encontro são fãs de 21, 22 anos de idade, então você tem que entender isso. Quando Now, Diabolical saiu, eles tinham 10 anos, então para eles, é uma lembrança de sua infância. Mas se você tem 40 ou 45 anos, é diferente “.

“Dentro do mundo do Black Metal, muita coisa mudou nos últimos 25 anos, com certeza. Foi muito difícil no início dos anos 90. Andando pelas ruas de Oslo e tendo carros de polícia à sua frente e quatro policiais saindo, identificando-se e então você tinha que ir com eles, e eles iriam interrogar você, e essa era a maneira deles de lembrar constantemente que eles estavam lá e que eles estavam vendo tudo. E isso era muita coisa para lidar quando você tem 17, 18 anos. E essa era a realidade para muitos de nós naquela época. E hoje, se eu encontrasse o Primeiro Ministro da Noruega, seria natural  trocarmos algumas palavras educadas, porque nós, como um grupo de artistas, músicos noruegueses de Black Metal, somos altamente respeitados em nosso país pelo trabalho que fazemos com nossa música e pela maneira como ela afeta as pessoas de uma maneira boa. Mas, certamente, muitas coisas mudaram nesses 25 anos”.

O último álbum do Satyricon, Deep Calleth Upon Deep, foi lançado em Setembro de 2017, via Napalm Records. O álbum foi gravado na Noruega e no Canadá, e mixado por Mike Fraser, que trabalhou com a banda no disco Now, Diabolical.

 

Tags:
Categorias: Notícias