Nós estamos em qualquer lugar. Nós… Os Infiltrados…

 

OS INFILTRADOS

Por Daniel Dystyler

F. É. R. I. A. S.

Seis letras que quando colocadas juntas formam uma palavra que automaticamente remete à uma sensação de prazer e alegria para a enorme maioria das pessoas, sejam elas de qualquer parte do mundo, idade ou classe social.

A menos que você seja um Workaholic ou um CDF profundamente perdido em seu vício de trabalhar ou estudar, a idéia de tirar ferias soará como paraíso para a esmagadora maioria das pessoas, principalmente se conseguir aliar ao período de descanso, alguma atividade que você realmente goste.

Foi o caso das férias que acabei de tirar.

Além de passear em Nova York com a minha família, tive a chance de cobrir pelo Wikimetal, um grande show de Hard Rock: Def Leppard, Poison e Lita Ford. Tudo na mesma noite com direito a credencial de fotógrafo para registrar o show da Lita Ford para a nossa Galeria de Fotos.

E pude constatar na prática a força “dos Infiltrados” até mesmo nos Estados Unidos.

Quem são “Os Infiltrados” ?

Já explico. Antes acho que devo relatar a experiência fantástica que foi cobrir um show nos EUA, em uma arena ao ar livre com capacidade para cerca de 12 mil pessoas.

Cheguei cedo por não saber exatamente como funcionaria a questão do credenciamento e para evitar qualquer tipo de confusão, eu quis retirar a minha credencial o quanto antes.

É evidente que por se tratar de algo organizado pelos americanos, o meu nome já estava lá sem nenhum imprevisto ou contra-tempo. Em questão de segundos eu já tinha em minhas mãos um envelope com meu nome que continha a credencial e dizia que eu era convidado da Lita Ford.

Exatamente como havia sido combinado e prometido.

Pros americanos, o combinado não é caro. Combinou, vai estar lá. Ponto positivo pra eles.

Não é todo dia que posso dizer que "sou convidado da Lita Ford"

Como ainda faltava cerca de uma hora para o show da Lita Ford que abriria a noite, e não havia muita coisa para fazer naquele portão meio sem graça que dava acesso aos bastidores do Nikon Theatre, resolvi puxar conversa com os outros jornalistas americanos que também iriam cobrir o evento. Todos muito simpáticos e ao saber que eu era do Brasil, muito interessados em conhecer a cena Metal do Brasil.

Ao ver a minha tatuagem com letras na fonte do Iron Maiden, Mike, repórter da TV local, me perguntou se eu sabia o que havia ocorrido alguns anos atrás, exatamente naquele portão enferrujado.

– “Aqui ? Neste portão ? Não, não sei…” Respondi.

– “Quando o Iron Maiden veio tocar aqui em 2003, por algum motivo, o Nicko McBrain chegou atrasado. Ele veio de carro, um jaguar preto novinho, dirigindo sozinho e veio exatamente aqui neste portão para tentar entrar. Os seguranças, esses mesmos que você está vendo, pediram alguma identificação, mas ele não tinha nenhum documento com ele.

– “Você não sabe quem eu sou ? Eu vou tocar bateria no show. Preciso entrar AGORA pois estou muito atrasado, o show vai começar” gritava o Nicko.

– “Mas sem nenhuma identificação eles não deixaram o Nicko entrar. Então o que ele fez ? Avançou com o carro e invadiu o local meio que passando por cima da cancela e de um dos seguranças. Conclusão: O Nicko teve acusações contra ele, teve que prestar depoimento, etc”.

– Aqui ? Nesse Portão ???

Uau… Aquele portão sem graça e enferrujado acabou de ganhar um status de “Portão Histórico” !!!

O dia que eu conheci Nicko e uma das pessoas mais importantes na história da música, Steve Harris

Com esse bate-papo, o tempo passou e a Assessora de Imprensa, Bianca, veio conferir as nossas credenciais e explicar como deveríamos proceder para tirar as fotos.

– “Bianca ? Meu nome é Daniel, vim lá do Brasil para fazer esta cobertura. Posso fotografar os outros 2 shows além do da Lita Ford ?”. Resolvi perguntar uma vez que o meu passe era só para o show da Lita Ford.

– “Vou verificar com as bandas e já te aviso”.

Enquanto isso, entramos no backstage da Arena e fomos andando em direção ao local destinado à imprensa, bem na frente do palco. Antes de entrarmos, recebemos as últimas instruções de como proceder, o que pode e o que não pode, etc.

– “Bianca ? Você conseguiu a autorização para que eu possa fotografar os outros 2 shows ?”

– “Infelizmente, como isso não havia sido combinado com as bandas, não poderemos permitir”.

Pros americanos, o combinado não é caro. E o não combinado, também. Não combinou, não vai rolar. Nesse caso, ponto negativo pra eles, afinal eles bem que poderiam ser mais sensíveis ao fato de eu ter vindo de longe… Talvez no Brasil, a situação seria diferente. Enfim, como diz o ditado, tudo na vida tem seu lado bom e ruim.

Os shows foram demais e fiquei particularmente impressionado com o Def Leppard. Um mega-show que em termos de produção e qualidade técnica não deve nada aos grandes shows da atualidade: Enormes telões de alta definição que se movimentam, explosões, fogos, etc… E a formação com Vivan Campbell e Phil Collen nas guitarras, é sensacional !!!! Além de Joe Elliott que continua cantando muito…

Assistir parte do show dessa distância, é realmente inesquecível.

Mas voltando a tema principal deste post: Os Infiltrados.

Aconteceu, todos os dias que eu estive por lá. Em lugares diferentes, em momentos diferentes, com pessoas diferentes:

A clara comprovação da existência “dos Infiltrados”… Eles estão em todo lugar…

A situação sempre é muito parecida: Lá estou eu, andando pra cima e pra baixo, passeando, curtindo as minhas férias, sempre usando as minhas camisetas: Iron Maiden, Metallica, Queensrÿche, Rush (que é basicamente o vestuário que levo para uma viagem de férias), enfim, não interessa a banda… Basta algum “dos Infiltrados” bater o olho numa camiseta dessas e soltar um comentário do tipo:

– Eu também adoro essa banda…
– Vi o show deles, mês passado…
– Você ouviu o último disco ?
– Essa banda é demais !!!
– Heavy Metal is the Law !!!!

As frases podem variar, mas no fundo, elas querem dizer só 1 coisa:

Elas querem dizer: Eu também sou um Infiltrado.
Eu também sou um daqueles que sempre remou contra a maré. Contra tudo e contra todos. Eu também tenho atitude. Em outras palavras:

Eu Sou Metal !!!!!

Quando e aonde essas coisas aconteceram ?

Desde o momento que eu pisei nos EUA: Ainda na imigração com o Agente da Polícia Federal americana falando que ele já tinha ido a mais de 10 shows do Iron Maiden ao ver a minha camiseta, até no banheiro de um teatro com um americano dizendo que o show do Metallica que ele viu no Canadá foi o melhor show da vida !!!!

E no meio do Central Park; e dentro de um supermercado; e na fila de um carrinho de cachorro-quente; enfim, em qualquer lugar…

Nós estamos em qualquer lugar. Nós… Os Infiltrados…
Basta nos reconhecermos. “Os Infiltrados” aparecem, conversam, se saúdam…

Cada vez mais, o Wikimetal tem se esforçado para juntar “Os Infiltrados”. Alguns certamente perderam contato com o Universo Metal por conta de trabalho, família, obrigações, etc, mas nunca deixaram (e nunca deixarão) de gostar do melhor som do mundo.

Basta um empurrãozinho pra juntarmos os desgarrados e termos cada vez mais Infiltrados em todos os lugares, setores, classes, ambientes, países…
Vamos resgatar todo mundo e criar o núcleo de Metal cada vez maior e mais forte.

É pra lá que o trem do Wikimetal está indo…

Clique aqui para ver os outros textos escritos por Daniel Dystyler

Ouça as novidades e dicas de Daniel Dystyler:

Categorias: Opinião