Marcelus dos Santos, vocalista do Motorocker, falou sobre as mais de duas décadas da banda

Prestes a completar 27 anos de carreira, o Motorocker coleciona conquistas invejáveis. A banda já dividiu o palco com lendas como KISS, Guns’n’Roses, Motörhead, Iron Maiden e Deep Purple.

Surgida em Curitiba, a banda fundada por Marcelus dos Santos conquistou o Brasil nos anos 2000, com o bom e velho rock n’ roll. As influências de bandas como AC/DC e Nazareth foram reconhecidas não só pelo público. A banda foi convidada para participar dos tributos das duas bandas. O fundador do Nazareth, Manny Chalrton, inclusive convidou o vocalista para cantar na turnê brasileira de sua banda solo.

Ainda assim, o rock brasileiro urge por mais espaço. Mesmo bandas como o Motorocker, aplaudida por milhares de pessoas no Rock In Rio 2015, sentem que tanto a cultura quanto a realidade política e social do Brasil dificultam a proliferação da música. Com um novo álbum já pronto, a banda preferiu esperar as eleições de 2018 para lançá-lo, por exemplo.

Prestes a se apresentar no Curitiba Motorcycles nesse sábado, 09 de fevereiro, a banda separou um tempinho para conversar com o WIkimetal. Em entrevista para a coluna Orgulho Nacional, o vocalista Marcelus dos Santos falou como é ser uma banda de rock no Brasil atual:

– O Motorocker já tem mais de 20 anos de estrada. O que vocês acham que mudou na banda desse tempo para cá?

Com o tempo ganhamos mais experiência profissional. Nossa percepção das coisas em relação ao que fazemos hoje, nada tem a ver com a que tínhamos quando começamos. Estar nesse meio é  praticamente estar em outro mundo. É só tocando, viajando, tocando em grandes festivais e abrindo shows de grandes bandas pra se adquirir esse tipo de conhecimento. Ficamos mais velhos, porém ficamos um pouco melhores no que fazemos.

– O rock tem mais ou menos espaço no Brasil agora?

Menos espaço. Senti isso gradativamente desde meados de 2012. Mas sabe como é, de uma hora para outra o rock volta com tudo. É um estilo de música que além do apelo rebelde, tem uma plástica muito forte em termos visuais.

– Qual é a maior dificuldade de viver de música num país em que a cultura não tem o respeito que merece?

Só ser brasileiro já é uma dificuldade. Estamos pagando há muito tempo a conta que muitos políticos bandidos nos deixaram, e isso não é uma coisa que anima as pessoas. As pessoas têm primeiro que comer, morar e pagar um monte de impostos sobre tudo. Aí, se sobrar alguma grana, ela vai gastar em show, CD, etc. Querendo ou não, trabalhamos com algo que é supérfluo no Brasil. Obviamente existem pessoas que colocam a cultura à frente de muita coisa, e são elas as responsáveis pela nossa banda e outras continuarem na ativa. Seria melhor pra todo mundo se o Brasil fosse melhor.

– Em uma outra entrevista, vocês comentaram que já tem um novo disco pronto, mas que não lançaram por causa do clima de irritação política do país. O quanto a situação política interfere no trabalho da banda?

Essa polarização política revelou muita gente doente. Por um lado é bom, pois nos livramos de problemas futuros, ao nos distanciar de gente problemática. Mas por outro, fica um clima de animosidade que é péssimo. As pessoas não conseguiam pensar em outra coisa antes das últimas eleições, então preferimos adiar pra esse ano o lançamento do novo trabalho. Aos poucos o povo está se acalmando e seguindo cada um a sua vida, que com certeza é mais interessante que política.

– O disco de 2006, Igreja Universal do Reino do Rock, ironiza alguns aspectos da religião. Como é pra vocês ver uma realidade onde a moral religiosa está cada vez mais presente e interferindo na produção cultural?

Eu não sinto isso mais, muito pelo contrário. Há uns 12 anos ficamos sabendo que chegaram a quebrar um CD nosso em um culto evangélico. Tinha gente que nos detestava e alguns chegaram a me falar pessoalmente que eu iria direto pro inferno quando morresse. Foi a época que mais fizemos sucesso e vendemos discos. Hoje sinto que as coisas estão muito mais calmas. Acredito ser efeito da globalização cada vez mais forte e a banalização da informação. Parece que muito pouca coisa hoje consegue impressionar as pessoas. Também existe muita mentira por aí e as pessoas andam mais desconfiadas de tudo.

– Vocês consideram que o rock no geral precisa de uma atitude mais revolucionária, de enfiar o dedo na cara das pessoas?

Não necessariamente. O rock sempre teve tema livre pra falar sobre o que quiser. Ter atitude não quer dizer fazer coisas idiotas só pra se parecer o “diferentão”. Ser revolucionário hoje pra mim é ser honesto, ter a cabeça livre pra pensar de forma imparcial a respeito de tudo, e agir com empatia. Hoje o que eu mais vejo é um monte de Maria vai com as outras. Parecem bonecos feitos em série, e de muito mau gosto.

– Muito tem se falado sobre a perda de relevância do rock e muitos ainda falam que o gênero pode acabar. Qual é a opinião de vocês sobre isso?

Nós passamos por uma fase de banalização geral das coisas. As pessoas estão sendo manipuladas o tempo todo e não estão se dando conta disso. Isso é péssimo culturalmente. Mas enquanto existir jovens indignados com alguma coisa se reunindo em um porão pra fazer um som, o rock nunca irá morrer. É desse sentimento que o Rock n Roll brota.

– Sobre o próximo álbum. O que vocês podem falar sobre ele? Qual vai ser a vibe do disco?

Fala de superação, força, contrabando, mosca, motocicleta e de se divertir loucamente. Igual aos outros trabalhos anteriores, porém novo.

– O Curitiba Motorcycles já é esse sábado. O que os fãs podem esperar do show?

Podem esperar muita energia e músicas inéditas. Aos poucos estamos revelando os temas e músicas do novo trabalho.

– Depois de tantos anos de banda, quais os próximos passos que pretendem seguir?

Seguiremos gravando discos e saindo em turnês para reencontrar o nosso maior patrimônio, que são os fãs. Queremos gravar um DVD ao vivo também. Não existe nada melhor pra se fazer nessa vida. É o que acho e acredito que os meus parceiros da banda também.

Confira mais notícias sobre: