Legista do caso de Keith Flint deixou a conclusão em aberto

A legista Caroline Beasley-Murray deixou a conclusão do caso da morte de Keith Flint em aberto. Segundo ela, os exames toxicológicos deram positivo para cocaína, álcool e codeína. Porém, não há provas suficientes de que o cantor tenha cometido suicídio.

“Nós nunca saberemos o que estava acontecendo em sua mente naquele momento”, disse Beasley-Murray. “Eu considerei a hipótese de suicídio. Porém, para confirmar isso, teríamos que saber se Flint formou a ideia na cabeça e agiu deliberadamente para o ato que causou a morte. Considerando todas as circunstâncias, eu não tenho provas suficientes para isso”, explicou.

“Também não há provas suficientes para confirmar que foi um acidente. Mas ele podia estar fazendo uma brincadeira que deu terrivelmente errado”, concluiu.

LEIA TAMBÉM: Keith Flint será homenageado no Glastonbury 2019 com set exclusivo

Confira mais notícias sobre: