Direto da Cidade Maravilhosa, uma banda que produz Metal de qualidade desde 1983 está no Orgulho Nacional desta semana que traz uma conversa muito legal com André Bighinzoli do Metalmorphose.

André falou do novo disco e dos shows que prometem quebrar o pescoço do público.

O Metalmorphose volta a cena com força total e trazendo ainda mais orgulho para a nossa nação.

Rafael Masini: Bom, moçada, vamos começar esse Orgulho Nacional. Dany, eu não sei quanto a você, mas eu gosto quando o Orgulho Nacional vem com esse plus, esse diferencial.

Daniel Dystyler: Que é uma entrevista que você, Rafael Masini, conseguiu. Conta para os nossos Wikibroders quem que vai estar aqui no Orgulho Nacional.

RM: Olha, é uma banda que começou lá atrás, em 83, o Metalmorphose agora já vem de volta, lançando um excelente trabalho. Nós vamos ligar para o André, baixista do Metalmorphose.

DD: Vamos ligar.

RM: Alô, André?

André Bighinzoli: Opa!

RM: Rafael, tudo bem?

AB: Fala, tudo bom?

RM: Tudo bem, é o Rafael e o Daniel do Wikimetal, que também apresenta comigo o podcast.

DD: Oi, André, tudo joia?

AB: Legal, tudo bom, Daniel?

DD: Tudo bem. Estamos muito felizes de ter o Metalmorphose aqui no Orgulho Nacional do Wikimetal, muito bacana. A gente fazer umas perguntinhas e vamos pedir para rolar um som de vocês também, pode ser?

AB: Beleza!

RM: Fala um pouco dessa volta, desse novo CD… Como que isso foi idealizado, o que motivou vocês? Bom, começa por aí, depois eu pergunto dos planos futuros.

AB: O Metalmorphose é um grupo que surgiu nos anos 80, né, como vocês sabem, e a nossa atividade principal foi entre 84 e 86, né. E o grupo se desfez nos anos 80. E em 2007 eu tive essa ideia de reunir o pessoal para a gente fazer um show comemorativo. A ideia era essa.

RM: Certo.

AB: Porque nós não imaginávamos, sinceramente, que a gente fosse voltar com o grupo, apesar de ter sido uma coisa muito importante para nós e muito querida. E quando nós nos reunimos, foi uma coisa fantástica, porque houve quase como uma renovação, uma nova vida mesmo, né. Nós nos reencontramos de fato. E primeiro a gente lançou o material antigo, né, lançou o “Ultimatum”, pegamos essa demo que virou o CD “Maldição”, que poderia ter sido na época…

RM: E também teve um ao vivo, não teve?

AB: Exatamente. Então esse famoso show, que foi o show da volta, que foi o primeiro show, foi gravado. E foi uma coisa tão bacana, porque um show depois de 23 anos… Tanto a gente quanto o público, né, estava todo mundo muito curioso, né, os velhos… E novos também, porque gente com menos de 23 anos não tinha nem idade para ter visto o Metalmorphose. Foi tão legal, que a gente acabou lançando em CD e em DVD também, ele está em DVD. Mas a partir dali, nos começamos a trabalhar em um material novo, porque a gente descobriu o seguinte: que a banda de fato voltou, voltou mesmo. Voltou de corpo, alma, voltou de forma legítima. E nós começamos a compor, e agora lançamos esse disco de inéditas, que é o primeiro long-play de inéditas do Metalmorphose em 25 anos, que é o “Máquina dos Sentidos”, que foi esse disco que acabou de ficar pronto. Na verdade, ele já está disponível no Musitrax digitalmente, o site é www.musitrax.com.br, a gente está vendendo. E o Digipack, o CD mesmo, físico, está chegando agora semana que vem. Na verdade, quarta-feira ele já está na mão. E vai estar disponível para venda nesses shows que nós estamos programando, com o Stress, o Centúrias e o Salário Mínimo aqui no Rio, dia 6 de outubro, dia 7, no dia seguinte em São Paulo, no Manifesto, e vamos tocar também em Belém, no dia 10 de novembro com o Stress e outras bandas locais também.

RM: André, vamos pedir um som? Anuncia um som desse trabalho novo de vocês pra gente rolar aqui no Wikimetal.

AB: Eu gostaria de pedir “Máscara”, que uma música do nosso disco “Máquina dos Sentidos”, um disco novo, que foi lançado agora em 2012. E eu espero que vocês curtam, como a gente curtiu muito fazer!

DD: Essa foi “Máscara”, do Metalmorphose. Muito bacana, André. Queria te agradecer muito pela presença, as portas do Wikimetal sempre estão abertas para vocês poderem divulgar o trabalho de vocês.

RM: E André, fala de novo para a gente encerrar, a data do show, tanto aí no Rio, como aqui em São Paulo. Lembrando que é um show muito importante, porque além de vocês lançando esse disco novo, como você falou, com o disco ali para vender, tem o Stress, que também é uma banda lá de trás, e o Centúrias também, o grande cachorrão no vocal.

AB: Com certeza. Eu quero primeiramente agradecer o Wikimetal, a você, Rafael e Daniel. O Wikimetal está com tudo, e é muito orgulho a gente estar aqui também. Os shows: Metalmorphose, Stress comemorando os 30 anos do primeiro disco deles, e o Centúrias comemorando o retorno. Nós vamos também estar com o Salário Mínimo, no dia 6 de outubro, no Rio de Janeiro, na Lona Cultural de Realengo, showzaço. No dia seguinte, 7 de outubro, domingo, depois de vocês votarem, no Manifesto Bar, vai ser o Centúrias, o Stress e o Metalmorphose, e o lançamento do nosso disco novo “Máquina dos Sentidos”. Então se liga galera, que estamos voltando com tudo. São os veteranos aí com tudo.

DD: É isso aí, André do Metalmorphose no Wikimetal. Muito obrigado, valeu André.

RM: Brigadão, André, sucesso! Eu vou estar no Manifesto com certeza, eu troco uma ideia com você.

AB: Com certeza, com certeza! Vou dar um abraço em vocês.

RM: Vou sim. Muito legal essa volta, viu. A gente fica feliz que isso está retomando, nós todos que fomos aos shows nos anos 80, agora está de volta podendo ver. A gente viu Salário também, é muito bacana, dá força para essa moçada, dizendo “Dá sim para ir para frente”.

AB: Pois é, pois é. Eu estou muito satisfeito, cara, fico realmente feliz, e muito feliz também com o apoio de vocês.

DD: E as portas estão sempre abertas aí. Valeu!

RM: Abraço, André. Valeu!

AB: Um abraço, obrigado!

RM: Tchau tchau.

AB: Tchau.

Ouça o episódio completo:

Clique aqui para conhecer mais a banda Metalmorphose.

Categorias: Orgulho Nacional