Max Cavalera falou, em entrevista, sobre seu legado para a música

Em uma recente entrevista, Max Cavalera (Soulfly, Sepultura, Cavalera Conspiracy) foi perguntado sobre seu legado.

Ele respondeu: “Eu espero que seja de alguém que não teve medo de correr riscos e tentar coisas novas. Eu nunca deixei nada – pessoas, ideias ou opiniões – ficarem na frente do que eu tinha na cabeça. Ou no coração. Se eu sinto que é o certo, eu faço. E acho que isso sempre foi certo. Foi como eu descobri que dava para misturar música tribal e metal, pra começo de conversa.”

Max rejeitou a conversa sobre uma possível aposentadoria. Disse que continuará musicalmente ativo enquanto estiver fisicamente capaz de se apresentar.

“Eu nunca penso em aposentadoria ou nada do tipo”, ele disse. “Slayer já me assustou demais com esse tipo de coisa. Eu não entendo. Para mim, se eu me aposentar amanhã, o que eu farei? Ficar em casa fazendo nada? Eu deixaria todo mundo maluco, inclusive eu mesmo”, disse.

“Eu quero fazer isso até morrer”, completou. “Então, o negócio de passar a tocha é legal, porque sinto que todos os meus filhos o fariam pra mim. Isso me conforta. E saber que eu deixei uma marca. É mais do que eu poderia pedir. Para um cara que começou isso no Brasil, 30 anos atrás, deixar essa marca é fantástico. Então, estou muito, muito orgulhoso disso.”

LEIA TAMBÉM: Max Cavalera gostaria de ter Bruce Dickinson em disco do Soulfly

Confira mais notícias sobre: