Festival Lollapalooza já foi alvo de denúncia na edição do ano passado

A organização do festival Lollapalooza foi acusada de pagar apenas R$ 50 por 12h de trabalho para moradores de rua, segundo a Folha de São Paulo. O evento aconteceu no último fim de semana e já foi alvo de uma denúncia parecida na edição do ano passado.

A jornada de trabalho pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) é de 8 horas, mais 2 horas extras – período em que a remuneração é 50% superior à da hora normal.

A denúncia foi feita pelos próprios moradores de rua e pelo padre Júlio Lancelotti, da Pastoral do Povo de Rua, que usou suas redes sociais para falar sobre o caso. “O preço de mercado para um carregador trabalhar 12 horas seria de R$ 100”, ele conta.

Grande parte dos trabalhadores, que pediram para não serem identificados na matéria, dorme em abrigo para adultos e segundo eles, nem sempre há um contrato. A denúncia ainda trata a falta de banheiros para utilização dos trabalhadores.

Após a repercussão, a empresa responsável pelo festival, a Time For Fun, divulgou uma declaração à imprensa alegando que “sempre prezou pelo respeito ao público, a seus parceiros comerciais, e, sobretudo, às normas legais aplicáveis para contratação de prestadores de serviços.”

A empresa ainda diz que a matéria que divulgou a denúncia “não tem fundamento” e que se manifestará contra ela “através dos meios legais adequados”.

Confira mais notícias sobre: