Em entrevista para a Metal Hammer, o ex-vocalista do Iron Maiden, Paul Di’Anno, admitiu que a banda acertou em demiti-lo.

Di’Anno gravou o álbum de estreia, Iron Maiden, em 1980 e seu sucessor, Killers, em 1981.

“Eu não os culpo por terem se livrado de mim. Obviamente a banda é o bebê do Steve [Harris], mas eu queria poder ter contribuído mais. Depois de um tempo, isso me derrubou. No fim, eu não conseguia mais dar o meu 100% ao Maiden. E não era justo com a banda, nem com os fãs, nem comigo.”

O vocalista foi demitido supostamente pelo seu estilo de vida que, segundo Di’Anno incluía consumo exagerado de drogas naquele momento.

Paul Di’Anno falou ainda do orgulho que tem dos dois álbuns que gravou com a Donzela de Ferro:

“Os 2 álbuns que fiz com a banda foram marcos para o heavy metal. Anos depois, quando encontrei os caras do Metallica, Pantera e Sepultura e eles me contaram que foram aqueles álbuns que os fizeram entrar na música, me senti incrivelmente orgulhoso.”

Bruce Dickinson foi escolhido para ocupar o lugar de Paul Di’Anno e estreou no álbum The Number Of The Beast de 1982.

LEIA TAMBÉM: Paul Di’Anno convoca ex-membros do Iron Maiden para seu último show

Categorias: Notícias