“Nós não estávamos fazendo um documentário”, disse May sobre inconsistências

Brian May defendeu Bohemian Rhapsody contra as críticas que acusam o filme de mudar a timeline dos acontecimentos da banda.

“Nós não estávamos fazendo um documentário”, disse à Guitar World. “Não era para ser ‘isso aconteceu e então isso aconteceu’. Foi uma tentativa de entender Freddie Mercury e mostrar sua vida interior – suas paixões, medos fraquezas”.

“Além disso, queríamos representar nossa relação como a de uma família. O que foi basicamente uma parte do que construiu a armadura dele. Eu acho que Freddie ia amar, porque é uma boa e honesta representação dele como pessoa”.

No filme, Mercury é diagnosticado com AIDS antes da icônica performance no Live Aid em 1985. Na vida real, o diagnóstico chegou apenas em 1987.

LEIA TAMBÉM: Queen: streams da banda triplicaram depois de Bohemian Rhapsody

Confira mais notícias sobre: