Confira mais um texto escrito por um de nossos WikiBrothers:

por Marcel Melo Queiroz

Saudações amantes do bom e velho “Rock Pauleira”. Desta vez trago algumas boas indicações sobre as lendas da guitarra no Brasil. A intenção não é colocar nenhum deles em posição privilegiada em detrimento dos outros, mas fazer um retrospecto de alguns dos mais importantes guitarristas do país.

Cabe deixar claro que alguns deles não se encaixam exatamente no gênero “Rock”, mas influenciaram de forma essencial os grandes heróis da guitarra dentro do Rock/Hard/Heavy Metal. Também procurei colocá-los de maneira cronológica, de modo que possamos perceber um pouco da evolução que a guitarra sofreu com o passar dos anos. Então sem mais demoras, vamos lá:

Renato Barros

O que dizer do líder de uma banda com nada menos que 55 anos de estrada? Isso mesmo. Se você pensa que os Rolling Stones são a banda mais antiga na ativa é bom começar a dar mais crédito para esses senhores, que absolutamente nunca deram uma única pausa na carreira. Renato Barros foi provavelmente o primeiro músico no Brasil a influenciar vários garotos a pegarem em uma guitarra, graças às suas apresentações no programa “Jovem Guarda”. A grande maioria dos seus sucessos eram versões em português de bandas dos anos 60, e sempre ficavam muito boas. Ver um senhor que já passou dos 80 empunhando uma guitarra para quem tem vontade de ver e ouvir o Rock And Roll em seu estado mais puro é para no mínimo se respeitar.

Paulo Rafael

Eterno parceiro de Alceu Valença, o cantor mais rockeiro da MPB, Paulo Rafael ficou conhecido não só no Brasil a partir da década 70. O sucesso da parceria foi tão grande que a banda de Alceu se apresentou algumas vezes no grande Festival de Jazz de Montreaux. O estilo de Paulo é uma grande mistura de ritmos nordestinos, com muito Blues e alguns toques de Rock Progressivo. No mínimo obrigatório pra quem gosta das misturas apresentadas por bandas como Angra e Sepultura.

Armandinho

Na década de 70 Trio Elétrico não era um carro carnavalesco em que os foliões corriam atrás, mas sim o nome de uma banda fulminante da Bahia, formada por Armandinho, Dodô e Osmar. Genial é a única palavra cabível para definir a musicalidade deste músico. Inventou a Guitarra Baiana, uma versão elétrica e metálica do Bandolim, de sonoridade única. Indispensável para quem gosta de solos na velocidade da luz mas ao mesmo tempo melódicos.

Pepeu Gomes

Para muitos, o maior de todos os guitarristas brasileiros de todos os tempos. Não há muito o que ser dito de Pepeu, dono de virtuosismo e melodia ímpares. Um dos pioneiros a fundir o Rock Pesado com ritmos brasileiros. Rumores dizes que já foi até mesmo convidado para tocar com Megadeth e Living Colour. Se é verdade ou não, talvez nunca saberemos, mas o que importa mesmo é a obra inigualável deste gênio.

Robertinho de Recife

Um dos pioneiros do Metal no Brasil. Gravou o álbum “MetalMania”, grande sucesso na década 80, o que levou o grupo a abrir o show da banda Quiet Riot. Fundou também a banda de Hard Rock “Yahoo”, onde se destacou com a música “Mordida de Amor” versão de “Love Bites” do Def Leppard. Você pode até achar a letra brega, o que não significa que seja ruim, mas é inegável que o solo de Robertinho ficou muito melhor que a versão original da banda inglesa.

Cláudio Venturini

Um dos fundadores da banda 14 Bis, uma das precursoras do Rock Progressivo Nacional. Dono de técnica em alia virtuosismo e melodia de maneira perfeita. Após a saída de seu irmão Flávio da banda, provou que também era um grande vocalista, ao mesmo tempo em que tocava os riffs e solos complexos das músicas. Devido às péssimas produções realizadas na década de 80 no Brasil, as músicas ficavam sem peso algum, o que ficou evidenciado com o álbum “Ao Vivo”, de 1987, onde as músicas eram executadas com muito mais velocidade e peso, se comparadas às versões de estúdio. Mais um grande músico, infelizmente subestimado pelo grande público.

Andreas Kisser

Mesmo entrando como substituto de Jairo Guedz, Andreas será eternamente lembrado como O GUITARRISTA DO SEPULTURA. Mostrou que no Brasil também se podia fazer Metal Extremo de qualidade como era feito no exterior. Levou a guitarra no Brasil a uma agressividade poucas vezes vista antes, tudo isso sem abrir mão da técnica e da melodia, o que acabava diferenciando-o de boa parte dos guitarristas do mesmo gênero da época. Ficou tão conhecido no meio musical que já gravou com músicos dos mais variados estilos, do Pop ao Sertanejo. Um grande músico, sem dúvidas.

Wander Taffo

Rita Lee; Made in Brazil; Secos & Molhados; Joelho de Porco; Rádio Táxi; Banda Taffo; Guilherme Arantes… Com um curriculum desse alguém ainda duvida que Wander foi o maior guitarrista do Brasil, e também um dos melhores do mundo, de todos os tempos? Um cara que ainda hoje faz muita falta, que provou que era possível fazer Hard Rock com qualidade igual, senão superior a maioria das bandas do exterior. Fundou uma das maiores escolas de música do país, a EM&T. Um mestre, um gênio, simplesmente insubstituível.

Eduardo Ardanuy

Um cara que define o que é ser um “Guitar Hero”. Não é exagero algum chamá-lo de Van Halen brasileiro. Edu realmente merece todo o reconhecimento que conquistou. Velocidade, melodia, complexidade, virtuosismo, enfim, tudo o que a grande maioria dos seres humanos “normais” jamais alcançará. Pra quem gosta de guitarra, é obrigatório assistir pelo menos uma vez na vida a um show do Dr. Sin para se ter idéia do que é tocar guitarra de verdade e ver o quase impossível ser feito de maneira que até parece ser “fácil”.

Kiko Loureiro

Quem diria que o ex-guitarrista do grupo Dominó um dia iria se tornar um dos mais respeitados músicos e professores de guitarra não só do Brasil, mas também do mundo. Além de seu trabalho com o Angra, se mostrando como talvez o melhor guitarrista da história do Metal Melódico, Kiko também é dono de uma sólida carreira solo, em que mostra todo o seu virtuosismo ao misturar o Rock com ritmos mundiais. Tenho certeza que muita gente já tocou muita “Air Guitar” ao som dos solos deste cara.

Juninho Afram

Hard Rock, Heavy Metal, Pop Rock, Soul, Funk, Rock Progressivo, Prog Metal. Um dos guitarristas mais versáteis do país. Já tocou praticamente de tudo dentro do Rock And Roll. Líder do Oficina G3, banda que está na ativa desde a década de 80, e que vem rompendo vários preconceitos com o Metal, tanto no meio cristão quanto fora dele. O álbum Depois da Guerra, produzido por Marcello Pompeu e Heros Trench, do Korzus, é um marco na história do Metal Nacional, mostrando um Prog Metal altamente técnico e agressivo. Ao vivo, Juninho também rouba a cena, seja desfilando seus riffs e solos absurdos, cantando e mostrando grande carisma para com o público. Mais um show obrigatório.

Ozielzinho

Pra encerrar, um dos mais novos fenômenos da guitarra brasileira. O representante da geração internet, fez grande sucesso ao apresentar uma versão do jogo “Top Gear”, além de grandes clássicos do Metal, como “Mr. Crowley”, de Ozzy Osbourne e “Far Beyond The Sun”, de Yngwie Malmsteen. Vem se apresentando em Workshops por todo o Brasil e é uma das promessas musicas do nosso país. Podem ter certeza que todos ainda ouvirão falar muito desse cara, pois talento é o que não falta.

É óbvio que é impossível citar todos os grandes guitarristas do Brasil. Grandes nomes como Sergio Hinds, Moyses Kolesne, Heros Trench, Antônio Araújo, Felipe Machado, Rafael Bittencourt, Kiko Pereira, Hugo Mariutti, Hudson Cadorini, entre tantos outros acabaram ficando de fora, infelizmente injustiças acabam acontecendo. A intenção foi mostrar como a guitarra e suas técnicas evoluiram com o passar dos tempos.

A linguagem não foi muito técnica pois foi escrita por apenas um apreciados da boa música, mas que não possui habilidade alguma com o instrumento. A música seja ela instrumental ou não, não precisa de palavras, e isso todo amante do Heavy Metal já aprendeu antes que a maioria das outras pessoas!

*Este texto foi elaborado por um Wikimate e não necessariamente representa as opiniões dos autores do site.

Clique aqui para ver os outros textos do WikiBrother Marcel Melo Queiroz!

Tags:
Categorias: Opinião