Novo álbum do Five Finger Death Punch será lançado no dia 18 de Maio

Ivan Moody, vocalista do Five Finger Death Punch passou por apuros, tendo que ir para reabilitação várias vezes para lutar contra o alcoolismo. Leia trechos da entrevista que a Metal Hammer fez com Ivan e Zoltan Bathory, guitarrista da banda:

Como era um dia típico na reabilitação?

Ivan:”O centro de reabilitação em que fui era absolutamente lindo. […] Eu não queria um ambiente hospitalar. Então, um dia típico seria comer, ir a reuniões, tomar pílulas, comer, ir a outra reunião… eles tentaram me colocar em um regime e me levar de volta para onde eu era ‘humano’ novamente. Porque o estilo de vida dos artistas de Rock […] você está constantemente em movimento, você nunca está realmente em casa, você não vê muito sua família ou amigos “.

E como você está se sentindo agora?

Ivan: “Eu estou absolutamente fantástico. Feliz por estar vivo. Tem sido uma longa estrada e ainda é uma batalha. Eu sempre estive em desafios e não vou ser derrotado por algo assim”.

Você também esteve em reabilitação em 2016…o que deu de errado?

Ivan: “Há mais do que apenas vícios em drogas e álcool. Quer dizer, há sexo, há comida – há pessoas que são dependentes de cafeína… Então, eu não necessariamente acho que foi um fracasso. Eu acho que foi um deslize, e foi um teste para ver como eu poderia viver na pele que eu fiz uma vez, e ver se talvez fosse algo que eu inventei na minha cabeça. Talvez o vício fosse algo que eu pudesse superar e beber socialmente, por assim dizer – um ‘normie’ é como nós os chamamos. Mas percebi que não sou eu. Não está no meu sangue fazer isso. É tudo ou nada, então foi muito difícil de enfrentar”.

O que aconteceu em Tilburgo, quando Ivan disse que era o último show dele?

Zoltan: “Nós tínhamos uma nova equipe, e um deles sinalizou para executar a introdução sem verificar se estávamos todos lá. O palco foi montado de uma forma estranha, onde eu não poderia cruzar para o outro lado atrás da bateria. Então olhei em volta e não vi Ivan, mas pensei: ‘Talvez ele esteja do outro lado do palco’. A introdução rolou e eu entro no palco e começo a tocar, e Ivan não está à vista, então pensei, ‘Que que está acontecendo?’ A banda está no palco, as primeiras palavras estão por vir, e não há Ivan! Literalmente, Tommy [Vext, vocalista do Bad Wolves] acaba de chegar da academia, e ele entra no palco, ainda de roupa de ginástica, e alguém lhe deu um microfone. Ele começou a cantar parte da primeira música e, em seguida, Ivan apareceu, e ele está olhando em volta, como ‘Eu fui demitido?’. Foi uma grande confusão! Então Tommy correu e deu o microfone para Ivan, e Ivan estava rindo no começo, mas ele foi ficando cada vez mais irritado, e na metade do show todo o inferno começou!”

Ivan, como foi pra você fazer o primeiro show com a banda, após a reabilitação?

Ivan: “Foi ótimo. Foi absolutamente intenso. Provavelmente, um dos primeiros shows que eu toquei em muito tempo, onde eu não tinha álcool em mim. Estou nervoso andando até o local e, claro, tenho meu empresário lá e tenho alguns amigos. E de repente, Rob Halford [vocalista do Judas Priest], coloca a mão no meu ombro e me apoia, diz que me ama e que ele sabe que posso superar e isso ficou no meu coração durante todo o show”.

O que você aprendeu sobre si mesmo na reabilitação?

Ivan: “Aprendi muito sobre mim mesmo. Coisas que eu tinha esquecido. Aprendi como era não lutar mais comigo mesmo, o que é realmente difícil de admitir, porque no final das contas – e tenho certeza de que qualquer um pode concordar com isso – você é seu pior inimigo. Eu cheguei a um ponto onde estava mentindo para mim constantemente, então eu tive que encarar isso. Eu não quero usar a palavra ‘auto-sacrifício’, mas é como senti. Estava desistindo de quem eu pensava que era e começando do zero e percebendo que o homem que sou era bom o bastante”.

Zoltan, que tipo de mudança você viu em Ivan?

Zoltan: “Ele definitivamente parece mais saudável e mais feliz. E a coisa é, Ivan era um alcoólatra funcional; esse cara provavelmente poderia pilotar o ônibus espacial e você nem saberia. Essa era a coisa com ele – você não notaria que ele estava bêbado até que ele dissesse algo realmente bizarro, e você pensasse, ‘Oh merda, ele está bêbado!’ Agora nós saímos e a máquina está absolutamente precisa. Ele está realmente onde deveria estar, o que significa que, se quiséssemos usar pirotecnia, agora podemos. Antes, você não poderia dizer a ele: ‘Não fique aí’, porque ele ficaria lá”

Então você está menos preocupado com a recaída dele?

Zoltan: “Jason [Hook, guitarra] e Jeremy [Spencer, bateria] passaram pela reabilitação e ficaram sóbrios. Eles estão há anos e anos sóbrios e podem ajudar Ivan, porque eles entendem. E eu posso entender eles falando comigo sobre isso. Você é um viciado para sempre, você só tem que trabalhar ativamente nisso. Não é um hábito, é um vício e uma doença”.

Quais são os desafios que você está enfrentando agora, Ivan?

Ivan: “O alcoolismo é uma batalha contínua com a qual eu vou lidar por toda a vida. Não há cura para isso. Conheço algumas pessoas que estão sóbrias há 15-30 anos e ainda é uma batalha constante para elas. Eles sempre dizem ‘É minuto a minuto’, e isso é uma afirmação verdadeira – nunca desaparece. O alcoolismo corre na minha família. Eu conheço muitas pessoas que são alcoólatras e eu acho que a maior causa, para mim, é que a sociedade apoia o álcool. Há uma loja de bebidas em cada esquina, há um bar em cada esquina, há sempre algum lugar para conseguir álcool, e é quase como se fosse promovido ao ponto de enfiá-lo na garganta, e no final do dia torna realmente difícil até mesmo sair e curtir a vida sem tropeçar”

Ouça a nova música do Five Finger Death Punch clicando aqui.

Confira mais notícias sobre: