Influência do pai, troca de baterista e novo disco também foram assuntos falados por Fernanda Lira

A baixista, vocalista e fundadora da Nervosa, Fernanda Lira, foi entrevistada por Gastão Moreira, no Kazagastão.

Fernanda falou sobre a influência do pai que é headbanger, sobre as várias trocas de bateristas, sobre as extensas tours mundiais que a Nervosa já fez e sobre o novo disco que já está gravado.

Em relação ao machismo na cena e o fato da banda ser só de mulheres, Fernanda disse:

“O lance do machismo existe, sim. A gente vive numa sociedade machista, então sempre vai ter. Mas no começo da banda era muito pior. A gente ouvia umas coisas bem pesadas, mesmo! Eu namorava, era mó beata e ouvia que a gente só conseguia show porque dava pra produtor, porque mandava nude pra conseguir show. Pelo amor de Deus… Comentário, lixo.”

Fernanda complementa: Hoje, a gente conquistou o nosso espaço. E o mais legal é que pra outras bandas de minas no Brasil que são várias que tão vindo agora, ‘a carne tá amaciada’, sabe? A gente tomou todas as porradas e agora está melhor. A gente é headbanger igual a todo mundo, é o mesmo sangue que corre.”

Nervosa foi formada em 2011 e tem 2 álbuns de estúdio lançados, Victim Of Yourself (2014) e Agony (2016).

A banda já está com o terceiro disco gravado que deve sair em Junho.

Assista a entrevista na íntegra aqui:

Confira mais notícias sobre: