Eu toquei com muitos de meus heróis na minha carreira. Todos, de Simon Phillips, Al Di Meola, Steve Lukather, Yngwie. Mas Eddie Van Halen era algo de outro nível.”

Derek Sherenian: Oi, Daniel.

WikiMetal (Daniel Dystyler): Oi, Derek, como você está?

DS: Bem, e você??

W (DD): Excelente. É inacreditável que você tenha respondido tão rápido, é realmente ótimo ter você aqui em um espaço tão curto de tempo.

DS: Oh, cara, que legal. É, hoje é ótimo para mim, já que tenho um fim de semana bem cheio, então estou só relaxando hoje, vamos fazer essa entrevista, cara.

W (DD): Excelente, excelente. É uma grande honra e prazer ter o grande Derek Sherenian, um dos maiores tecladistas da história do rock com a gente. É realmente inacreditável. Então em nome de todos brasileiros headbangers, eu gostaria de te dar as boas-vindas ao programa WikiMetal.

DS: Obrigado!

W (DD): Derek, vou começar te perguntando, lá atrás, você se lembra como começou a se envolver com música?

DS: Bem, havia um piano na casa dos meus pais. Eu sempre ia ao piano e num momento eu comecei a tirar músicas. Meus pais me arrumaram um professor que ensinava música clássica para crianças, e foi aí que eu comecei. Quando fui crescendo, comecei a tocar em bandas, e o resto é história.

W (DD): Sim, e é uma história fantástica. Falando sobre isso, quem são os melhores tecladistas do Rock e Heavy Metal, que realmente o inspiraram a seguir essa carreira?

DS: Sim, Jon Lord… e então, no Progressive Metal, como Deep Purple foi uma grande influência. Keith Emerson, Rick Wakeman, e Jan Hammer, para Fusion.

W (DD): É, são ótimos nomes. Você teve a oportunidade de conhecer Jon Lord?

DS: Sim, encontrei ele uma vez, acho que em 1995 ou 1996… Quando eu estava com o Dream Theater, nós estávamos em um tour com o Emerson, Lake e Palmer, e Deep Purple, então…eu me lembro daquilo ser muito legal para mim, estar no mesmo tour que Emerson e Jon Lord.

W (DD): Excelente, excelente. Alice Cooper, eu acho, foi seu maior break em 1989, se não estou enganado. Como foi o convite para tocar com ele, e fala para gente um pouco sobre estar perto de alguém tão legal como Alice Cooper. Pode dividir com a gente algumas memórias daqueles dias?

DS: Sim, eu era muito jovem naquela época, e Alice Cooper estava voltando ao jogo com seu novo álbum Thrash, e todo mundo na cidade estava tentando tocar naquele show. Eu só entrei para a audição para a posição de tecladista e, você sabe, Alice e eu nos demos bem, ele gostou do meu jeito de tocar, e eu acabei conseguindo o emprego. Foi um momento muito emocionante na minha vida, porque pela primeira vez eu estava sendo pago para seu um músico em tempo integral, e ir um grande show, e na MTV, e tudo mais. Pois é, foi um dos melhores anos da minha vida – aquele tour todo, 1989 – 1990.

W (DD): Ótimo, ótimo. Excelente história. Derek, nós temos uma pergunta clássica no nosso show que fazemos a cada visitante, que é, imagine-se escutando seu iPod no modo aleatório ou escutando a uma estação de rock enquanto dirige seu carro, e inesperadamente uma música começa a tocar que faz você pirar e sentir uma necessidade de headbangear imediatamente, independentemente de onde você está, não consegue parar, não consegue se segurar. Que música é essa, para que possamos escutar no show nesse momento?

DS: Van Halen, Unchained.

W (DD): Oh, ótima escolha! Van Halen, Unchained, aqui no WikiMetal! Derek, e depois de se juntar ao Dream Theater, você também tocou no album “Alive III” no Revenge tour do Kiss, certo?

DS: É isso mesmo.

W (DD): Alguma lembrança daquela época?

DS: Aquele foi um tour divertido… Eu fui recomendado por Eric Singer, que tocou comigo em Alice Cooper, ele havia sido recentemente contratado como batera no Kiss, e então…Eric disse que eu poderia vir, e eu recebi uma ligação de Gene Simmons, então eu fui para a audição, e ele basicamente só apertou minha mão e eu ganhei o emprego. Você sabe, foi um ótimo tour, assistir Gene e Paul conduzir a banda, porque eles tem tanto conhecimento e experiência, e são divertidos também, então… Eu me diverti.

W (DD): Muito bem. No seu primeiro álbum solo, Planet X, que é inacreditável por sinal, você toca com ótimos músicos como Virgil Donati e Tony MacAlpine. E foi tão bom, que você formou a banda chamada Planet X. Algum plano no futuro para mais coisas vindas do Planet X?

DS: Cara, não temos nada planejado para agora… Mas nunca diga nunca, entende. Talvez uma oportunidade se apresente onde nós três possamos tocar juntos, porque nós fazemos uma música bem aventureira e insana juntos.

Só tenho boas memórias da época com Dream Theater”

W (DD): Foi ótimo, realmente ótimo, e tem muita gente tipo, gente famosa, e ótimos músicos, falando que aqueles alguns os influenciaram. É realmente ótimo, e se tudo der certo vocês se juntarão de novo e farão mais coisas no futuro.

DS: Claro, certeza.

W (DD): Ok, vamos falar um pouco do Dream Theater, fala um pouco para gente sobre aqueles anos, o que você sente falta, o que você não sente falta, e um também sobre o show de reunião “When Dream and Day Reunite” em 2004, como foi aquela experiência de tocar de novo com os caras, incluindo Jordan Rudess?

DS: Bem, Dream Theater…quando eu recebi a ligação deles…Na verdade, deixa eu por de outra forma. Naquela época, Alice Cooper estava tirando uma folga do trabalho, e todo o negócio de Seattle Grunge estava rolando e nenhuma das grandes bandas de Rock estava fazendo negócios, então todo mundo estava meio relaxando, e tentando planejar qual seria o próximo passo a ser tomado. Então ouvi falar que essa banda, Dream Theater, estava procurando por um tecladista, e eu não conhecia nada da música deles. Ouvi dizer que eles tocavam Progressive Metal, então… Eu marquei uma entrevista, eles enviaram a música e eu me lembro de estar arrepiado e dizer “Oh meu Deus, isso é insano, eu não sei se consigo… Eu nunca toquei música como isso antes.” Foi um grande desafio, e eu coloquei muito tempo nisso, me preparando, eu entrei, e havia três pessoas lá para se apresentarem – era Jordan Rudess, Jens Johansson e eu. Quando eu ouvi que Jens iria se apresentar, eu estava como “Bem, ele vai conseguir essa vaga”, porque Jens é um tecladista incrível – ele é provavelmente meu tecladista favorito de Metal, certeza. Então, eles queriam Jordan originalmente, e eu acho que Jordan talvez tenha tido outras coisas para fazer, não sei qual era a história, mas ele passou a vaga para frente, então eles me chamaram. Cheguei, aprendi as músicas e comecei a fazer o tour, depois de seis meses eles me fizeram membro permanente da banda. E devo dizer que os quatro anos que eu estive na banda, foi uma grande experiência para mim, musicalmente, e isso realmente ajudou a aprimorar minha habilidade, e só… Você sabe, como um músico profissional, então sou muito grato pela oportunidade. Entende, ainda sou amigo daqueles caras, e eu recentemente toquei com Mike Portnoy em um tour com Billy Sheehan e Tony MacAlpine. Tocamos instrumental, várias das velhas músicas do Dream Theater, e foi algo muito legal. Só tenho boas memórias daquela época.

W (DD): É, ótimo. Já que você mencionou o “PSMS”, um super grupo instrumental, que vocês saíram em tour ano passado, existe algum plano para o futuro?

DS: Yeah, nós estivemos conversando de voltar à ativa nesse outono, incluindo uma passada pela América do Sul – nós estamos conversando com uns dois grandes promoters aí, então é uma grande possibilidade que nós tocaremos aí. Vamos manter os dedos cruzados.

W (DD): Seria inacreditável ver você, Mike Portnoy, Billy Sheehan e Tony MacAlpine tocando juntos. Seria como um sonho se tornando realidade, inacreditável. Já que você estava falando sobre aqueles anos com o Dream Theater, você poderia escolher uma música do Dream Theater que você tem muito orgulho de fazer parte dela, e gravar ela, para que possamos escutar aqui no nosso show?

DS: Acho que a mais famosa composição que escrevi naquela época para o Dream Theater foi Lines in the Sand, e essa foi também… Essa foi a maior contribuição de música que fiz para a banda, e todos pareceram gostar, diria que foi essa.

W (DD): Excelente, excelente. Derek, nós tivemos a oportunidade de conversar com o grande Glenn Hughes no ano passado. Ele foi muito simpático, e nos contou várias coisas, incluindo sobre o incrível grupo Black Country Communion que vocês juntaram. Existe outros planos para fazer mais coisas com o Black Country Communion e também, como foi o show que vocês tocaram no ano passado na República do Nagorno-Karabakh?

DS: Oh, isso é ótimo, mas não era Black Country Communio – era o Glenn e eu sentados com uma banda armênia chamada Dorians. Foi uma ótima experiência, nós fomos para a Armênia e tocamos em Karabakh, o show que você acabou de mencionar. Foi muito legal. Com relação ao Black Country Communion, a banda está em um estado de incerteza. Nós estamos tentando entender qual será nosso próximo passo. Eu não acho que o Joe vai ficar no grupo, já que ele está bem focado na sua carreira solo. Fora que ele não quer mais sair em tour com a banda. Então temos que descobrir se queremos seguir em frente ou deixar isso rolar…vai ser legal ver no que vai dar.

W (DD): Vai dar certo. Ficaremos de dedos cruzados, porque é uma ótima banda, com ótimo som e música incrível.

DS: É uma ótima banda, e se fosse escolha minha, eu adoraria ter o grupo original com o Joe, e sair para fazer vários shows, mas você sabe, Joe tem outras coisas acontecendo, então minha posição é: eu adoraria ver a banda seguir em frente, mesmo sem o Joe, então vamos ver no que vai dar.

W (DD): Ok. Que tal tocar com Yngwie Malmsteen?

DS: Foi uma ótima experiência! Eu realmente acho que Yngwie é um dos melhores guitarristas de Metal. Certamente, um dos melhores que eu já toque na vida. Tivemos uns shows muito animal, e toquei com ele várias vezes em alguns anos, e também toquei em alguns CDs – ele tocou em uns dois discos meus. Tenho uma ótima relação com o maestro, então eu sempre desejo o melhor para ele, e espero que possa ter uma oportunidade de tocar com ele de novo.

W (DD): Ótimo, ótimo. Estamos quase no fim da nossa entrevista, então aqui está a parte final. Uma pergunta que tenho curiosidade é: você teve ótimos momentos na sua carreira tocando com grandes músicos de várias bandas, se você pudesse pensar em um momento em sua carreira que você nunca vai esquecer, qual seria essa momento?

DS: Eu tive oportunidade de tocar com Eddie Van Halen em uma festa privativa na casa dele. Tivemos um dia para praticar e fizemos o show. Eu só lembro que…foi surreal…era como um sonho, era como “não acredito que estou tocando com esse casa que teve tamanha influência sobre mim.” Eu toquei com muitos de meus heróis na minha carreira. Todos, de Simon Phillips, Al Di Meola, você sabe, Steve Lukather, Yngwie, todos essas cara que eu sempre fui fã. Mas Eddie Van Halen era algo de outro nível. Isso foi algo que sempre vou lembrar.

Sou um grande fã de MMA, do Anderson Silva, do Junior Santos e de todos lutadores daí.”

W (DD): Muito bom. A última música que vou pedir para você escolher para que toquemos aqui no show, é alguma que você tenha muito orgulho de ter escrito durante sua carreira, para que possamos escutar agora no WikiMetal.

DS: Oh, você sabe, eu diria: escolha qualquer uma do meu álbum solo… entende, gasto muito tempo em todos eles, e eles são…eles são importantes para mim, então…eu somente diria…você sabe, como um algum, eu tenho muito orgulho do “Black Utopia”, acho que tem muitas músicas ótimas lá, e o grupo de convidados é único. Então diria para você escutar esse, mas eu recomendo qualquer um dos meus álbuns solos para todos.

W (DD): Excelente, então vamos escolher uma do álbum “Black Utopia”.

DS: Pega a música Sons of Anu, que tem como participação Yngwie e Al Di Meola.

W (DD): Muito bem, Sons of Anu, do álbum “Black Utopia”, por Derek Sherenian. Bem, nós já estamos no fim da nossa entrevista, mas antes de irmos, eu gostaria que você desse um conselho para uma criança que estivesse querendo criar uma banda e começar uma carreira, ou mesmo somente tocando teclados em uma banda de Rock?

DS: Sabe cara, descubra que tipo de música você mais gosta e faça isso. Então, esteja pronto para se aventurar em um caminho cheio de obstáculos e com várias pessoas lhe dizendo que nada dará certo. Você terá que estar pronto para passar fome e não ter dinheiro por um tempo, mas se você se manter forte por tempo o bastante, e se você amar o que faz, algo vai dar certo eventualmente.

W (DD): Muito bom, ótimas palavras, ótimo recado, muito obrigado, Derek, pelo seu tempo e por se encontrar com a gente, é realmente ótimo. Você pode contar com o WikiMetal para promover qualquer coisa que você faça no futuro, todos seus projetos e para promover Derek Serenian aqui no Brasil. Conte com a gente e obrigado pelo seu tempo e pela ótima entrevista.

DS: Obrigado, Daniel. Meu site é dereksherenian.com, e você pode me seguir no Twitter, @dereksherenian.

W (DD): Excelente, nós realmente encorajamos nossos ouvintes a seguir Derek Sherenian no Twitter, e também dar uma checada no site dele e todas as músicas que ele colocou dessas bandas. Muito obrigado, Derek.

DS: Em que cidade você está?

W (DD): Em São Paulo.

DS: Ah, sinto falta de tocar no Brasil. Sou um grande fã de MMA, do Anderson Silva, do Junior Santos e de todos lutadores daí. Espero dar um pulo aí para algum show e me encontrar com vocês de novo.

W (DD): E talvez conhecer todos esses lutadores, ou pelo menos…

DS: Eu ainda não os conheço, mas sou um grande fã. Especialmente do Anderson Silva, ele é meu favorito.

W (DD): Muito bem. É ótimo escutar isso. Então, faremos de tudo para o promover seus shows aqui e o trazer ao Brasil. Faremos isso e o ficaremos em contato.

DS: Ótimo. Se cuida, meu amigo.

W (DD): Você também, obrigado! Tchau tchau.

DS: Obrigado.

Ouça o episódio completo:

Categorias: Entrevistas